SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número1Angiomatose Bacilar em Doente Imunocompetente: A Propósito de um Caso Clínico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Arquivos de Medicina

versão On-line ISSN 2183-2447

Arq Med v.22 n.1 Porto  2008

 

Atitudes, Comunicação e Comportamentos Face à Sexualidade Numa População de Jovens em Matosinhos

 

Rui Deveza Ramos, Cecília Eira, Alice Martins, Anabela Machado, Margarida Bordalo, Zenaide Polónia

Unidade de Saúde Pública de Matosinhos

 

Para fundamentar a acção promotora da saúde afectiva e sexual na comunidade de Matosinhos recorremos a um estudo prévio dos comportamentos, atitudes e comunicação face à sexualidade. Aplicamos 2500 questionários nas EB 2/3 e Secundárias do concelho de Matosinhos tendo-se recolhido uma amostra altamente representativa de 1792 questionários, tendo por idade média os 15,2 anos. As dimensões em análise foram: experiência em relações íntimas, atitudes face à sexualidade, estilo de comunicação interpessoal na área da sexualidade e experiência de utilização de métodos anticonceptivos. Os principais resultados evidenciam que aos 14 anos, 4,5% dos jovens já teriam experienciado relações sexuais coitais. Em termos atitudinais, os rapazes são mais favoráveis ao ‘sexo sem compromisso afectivo’. Verificamos que face à utilização de meios anticonceptivos 76,8% dos inquiridos com experiência sexual coital utiliza sempre meios anticonceptivos, sendo nas raparigas onde se observa maior predominância de utilização. Constatamos que cerca de ¼ dos inquiridos não usa sistematicamente qualquer método anticonceptivo e 11,9% usa como método o coito interrompido. Aliás, em relação às atitudes face à prevenção e métodos anticonceptivos, verifica-se que são os rapazes quem mais atitudes negativas possuem face ao ‘preservativo’. Em concordância com os resultados favoráveis ao uso de métodos anticonceptivos observou-se que os jovens se estimam como sendo agentes de risco face às IST, são conhecedores das principais vias de transmissão do VIH e sabem que só o preservativo o previne. As respostas obtidas e algumas das diferenças estatisticamente significativas entre géneros, apontam para a necessidade de trabalhar as questões da responsabilidade partilhada.

Palavras-chave: educação afectivo-sexual; promoção da saúde sexual; comportamentos juvenis face à sexualidade; infecções sexualmente transmissíveis; meios anticonceptivos.

 

Attitudes, Communication and Behaviours Towards Sexuality in a Adolescent Population in Matosinhos

In order to support the affective and sexual health promotion in Matosinhos community, we promoted a study of behavior, attitudes and communication towards sexuality. We applied 2500 surveys in EB 2,3 and secondary schools; we collected a very representative sample of 1792 questionnaires with a average age of 15.2 years old. The dimensions in analysis were: intimate relationship experience, attitude towards sexuality, interpersonal communication style and experience in contraception use. The main results show that at the age of fourteen 4.2% of the adolescents have already experienced coital sexual relations. Regarding attitudes, boys are more favorable to “non affective engagement sex”. Concerning contraception use we realized that 76.8% of the respondents with coital sexual experience always use contraception techniques being the girls the biggest users. One quarter of the respondents does not systematically use any contraception and 11.9% use the coital interruption as contraception. Accounting prevention and contraception behavior, we realize that boys are the ones who have more negative attitudes towards condom use. As well as the favorable results in contraception, we found that adolescents consider themselves as a risk group for STI, recognizing the main route of transmission of HIV and that the condom is the only anticonceptional that prevents it. Some of the significant statistical differences between genders emphasize the need to work on shared responsibility.

Key-words: affective and sexual education; sexual health promotion; juvenile behavior towards sexuality; sexual transmission infections; contraception.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

1 -Parker RG. Bodies, pleasures, and passions: SexualCulture. Boston: Beacon Press.1990.         [ Links ]

2 -Parker RG, Herdt G e Carballo. Sexual Culture, HIV transmission and Aids Research. Journal of Sex Research 1991;28:77-98.

3 -Ramos R. A Ancoragem da Representação do SIDA nas Concepções Socioculturais da Sexualidade. Dissertação de Tese de Mestrado apresentada à FPCE - Universidade do Porto. Porto.1999.

4 -Marques J, Ramos R, Paéz D, et al. “Avaliação do papel de alguns mediadores sociocognitivos da população (de 4 países da União Europeia) sobre as campanhas de Prevenção do Sida”. Projecto, Plano de Investigação e Relatório Final do Projecto de Investigação. Comissão das Comunidades Europeias. Programme Europe contre le Sida. Luxemburgo.1995.

5 -Gagnon JH, Simon W. Sexual Conduct: The Social sources of Human sexuality. Chicago: Aldine.1973.

6 -Hendrick S, Hendrick C. Romantic Love. Newbury Park: Sage.1993.

7 -Hendrick, S., e Hendrick, C. (1987). Multidimensional of sexual arousal patterns in females and males. Psychophisiology, 14, 266-274.

8 -Alferes V R. Dos Comportamentos Sexuais à Encenação do Sexo. Contributos para uma Psicologia Social da Sexualidade. Dissertação de Tese de Doutoramento apresentada à Universidade de Coimbra.1994.

9 -Snyder M, Berscheid E, Glick P. (1984). Focusing on the exterior and the interior: Two investigations of the initiation of personal relationships. Journal of Personality and social psychology 1984;48:1427-39.

10 -Snyder, Simpson e Gangestad. Personality and Sexual relations. Journal of Personality and Social Psychology 1986;51:181.

11 -Marticka-Tyndale E. SexualScripts andAids Prevention: variations in adherence to safer sex guidelines by heterosexual adolescents. Journal of sex research 1991;28:45-66.

12 -Catania JA, et al. Methodological problems in AIDS behavioural research: In?uences on Measurement error and participation bias in studies of sexual behaviour. Psychological Bulletin 1990;108:339-62.

13 -DeLamater J . A sociological Approach. In J. H. Geer & W. T. O’Donohue (Eds). Theories of Human Sexuality (pp.237- 255) NY: Plenum Press.1987.

14 -Usieto R. Conductas sexuales de riesgo. Sociogenesis heterossexual del SIDA en España. R. Usieto (eds). SIDA. Centro de Estudos Sociales Aplicados.1991.

15 -Warwick I, et al. Construction Commmon Sense-Young people’s Beliefs about Aids. In Sociology of Health and Ilness 1988;10:213-33.

16 -Paéz et al. Atitudes, Creencias y prevencion de la Transmission heterossexual del Sida. In R. Usieto, R. Andreas, F. Cubierta. Sida Transmission Heterossexual. Centro de Estudios Sociales Aplcados. Sevilla.1993.

17 -Matos Margarida Gaspar (2003).Asaúde dos adolescentes portugueses (quatro anos depois). Edições FMH: Lisboa; pp. 245-78.2003.

18 -Matos MG. ASaúde dos adolescentes portugueses (quatro anos depois), relatório português do estudo Health Behaviour in School-Aged Children (HBSC).2003.

19 -Rivard P. (1992). Corps, sexe et pouvoir: pour une problemátique foucauldienne de l’epidemie du SIDA. Sociologies et Societés1992;24.

 

Correspondência:

Dr. Rui Deveza Ramos Unidade de Saúde Pública de Matosinhos Rua Alfredo Cunha, 365 4450-024 Matosinhos

e-mail: rui.ramos@ph.min-saude.pt

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons