SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 suppl.2Os probióticos no tratamento da esteatose hepática em população pediátrica: qual a evidência?Hérnia diafragmática de Morgagni: um caso clínico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754

Nascer e Crescer vol.25  supl.2 Porto dez. 2016

 

RESUMO DOS POSTERS

 

PO16_11

Varicela complicada: dois casos clínicos

 

 

Cristina Baptista1; Cristiana Martins1; Cristina Cândido1; Vânia Martins1; Aida Silva Sá1

1 Serviço de Pediatria do Centro Hospitalar Trás-Os-Montes e Alto Douro – Unidade de Vila Real

 

 

Introdução: A varicela na criança é habitualmente benigna e autolimitada, raramente associada a complicações fatais. Pela descontinuidade da barreira cutânea, as infeções cutâneas são possíveis complicações e alguns autores defendem um maior risco associado ao uso de anti-inflamatórios não esteróides (AINEs).

Descrição do caso: Apresentam-se dois casos clínicos em lactentes, ambos com múltiplas administrações de AINEs. O primeiro refere-se a uma lactente de 7 meses, género feminino, com antecedente de internamento por suspeita de sépsis neonatal. Ao 6.º dia de varicela surge celulite localizada da parede abdominal. É internada para antibioterapia, vindo a desenvolver abcesso cutâneo com drenagem espontânea. Teve alta melhorada, contudo, a referir duas recidivas posteriores em ambulatório.

O segundo caso, refere-se a um lactente de 11 meses, género masculino, sem antecedentes de relevo. Ao 6.º dia de exantema, menção a vesículas com drenagem e odor fétido, em fundo necrótico e tumefacto. É internado com agravamento progressivo e necessidade de transferência para Hospital Central por suspeita de fasceíte necrotizante e mediastinite. Realizou múltiplos antibióticos, com necessidade de múltiplas drenagens cirúrgicas e internamento prolongado.

Conclusão: Alguns autores defendem que o uso de AINEs em crianças com varicela aumenta o risco de infeção cutânea grave, alegando que o seu uso, ao mascarar os sintomas pode atrasar o diagnóstico e também suprimir as funções granulocitárias. É importante informar os familiares acerca das indicações destes fármacos, por não estarem sujeitos a receita médica. O diagnóstico precoce tem implicações prognósticas, mas as manifestações clínicas iniciais são frustres, sendo o diagnóstico desafiante.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons