SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número4Critérios para a Classificação e Manejo de Costa Arenosa Dominada por Ondas e com Intensa Ocupação Urbana: o caso de Imbé, RS, BrasilCapacitação de gestores locais para a zona costeira: metodologias participativas nas áreas marinhas e gestão costeira integrada no Uruguai índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista de Gestão Costeira Integrada

versão On-line ISSN 1646-8872

RGCI vol.13 no.4 Lisboa dez. 2013

https://doi.org/10.5894/rgci400 

ARTIGO / ARTICLE

Biologia reprodutiva de Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Brachyura, Ucididae) em duas áreas de manguezal do litoral sul do Estado de Pernambuco, Brasil*

 

Reproductive biology of Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Brachyura, Ucididae) in two mangrove areas from the south coast of state of Pernambuco, Brazil

 

 

Daniela da Silva Castiglioni @, I; Daiana da Silva-CastiglioniII; Paloma Joana Albuquerque de OliveiraIII

@Corresponding author: Daniela Castiglioni <danielacastiglioni@yahoo.com.br>

IUniversidade Federal de Santa Maria (UFSM), Centro Superior de Educação Norte do RS (CESNORS), Palmeira das Missões, RS, Brasil
IIUniversidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS, Brasil, E-mail: daicastiglioni@yahoo.com.br
IIIUniversidade Federal de Pernambuco, Núcleo de Biologia, Centro Acadêmico de Vitória (CAV), Brasil, E-mail: albuquerque.paloma@hotmail.com

 

 


RESUMO

O caranguejo de manguezal Ucides cordatus é uma espécie endêmica de manguezais com expressiva importância econômica no litoral brasileiro, mas a sobrepesca e a devastação dos manguezais vêm reduzindo drasticamente as suas populações. Estudos nacionais sobre a biologia reprodutiva têm sido realizados em algumas regiões, embora sejam escassos ou antigos nos manguezais de Pernambuco. Neste estudo objetivou caracterizar o período reprodutivo do caranguejo através do desenvolvimento gonadal e a frequência de fêmeas ovígeras. Os animais foram coletados manualmente durante a maré baixa em duas diferentes áreas (de 25 m2 cada) de abril de 2008 a maio de 2009. Foram amostrados um total de 1.424 exemplares (Mamacabas = 805; Ariquindá = 619). Os espécimes foram sexados e dissecados, e foi avaliado o estágio de desenvolvimento das gônadas através de seu tamanho e de sua coloração. Os caranguejos com gônadas imaturas e rudimentares foram considerados imaturos sexualmente, enquanto aqueles pertencentes aos demais estágios reunidos (em desenvolvimento, desenvolvido, avançado e esgotado) foram classificados como maduros. Os machos com gônadas maduras ocorreram durante todo o ano, sendo mais frequentes na primavera e no verão, independentemente da área de manguezal estudada (Mamucabas ou Ariquindá). As fêmeas com gônadas maduras ocorreram ao longo do ano, com maior frequência no outono e no verão, enquanto as ovígeras ocorreram apenas no verão e no outono, em ambas as localidades. Tais resultados caracterizam uma reprodução sazonal do caranguejo-uçá nos manguezais analisados, seguindo o padrão reprodutivo já descrito para a espécie em outras regiões do Brasil.

Palavras-chave: caranguejo-uçá, fêmeas ovígeras, desenvolvimento gonadal, reprodução.


ABSTRACT

The mangrove crab Ucides cordatus is a typical species of the estuarine environment with significant economic importance in the Brazilian coast, but overfishing and destruction of mangroves have dramatically reducing their populations. Studies about reproduction have been conducted in several regions, although those papers carried out in the mangroves of state of Pernambuco are scarce or old. Thus, this study aimed to characterize the reproductive period of Ucides cordatus through the analysis of gonadal development and the frequency of ovigerous females. The crabs were collected manually during low tide in two different areas (each 25 m2) from April 2008 to March 2009. A total of 1,424 specimens (Mamacabas = 805; Ariquindá = 619) were sampled. The sampled crabs were observed for sex, dissected and evaluated for stages of development of the gonads through the size and color. Crabs with immature and rudimentary gonads were considered immature and the remaining crabs were classified as mature. Males with mature gonads occurred throughout the year but they were more frequent in spring and summer in Mamucabas and Ariquindá, respectively. Females with mature gonads were found throughout the year but were more frequently in autumn and summer, as well as ovigerous females occurred only in summer and autumn in both populations. These results characterize seasonal reproduction for Ucides cordatus in the analyzed populations following the reproductive pattern already described for this species in other regions of Brazil.

Keywords: mangrove crab, ovigerous females, gonadal development, reproduction.


 

 

1. INTRODUÇÃO

O caranguejo de manguezal Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) é uma espécie típica de ambiente estuarino, endêmico da costa Atlântica do continente americano e um dos maiores crustáceos dos manguezais brasileiros (Melo, 1996). Devido ao seu porte acentuado na fase adulta, o caranguejo-uçá vem sendo utilizado como recurso pesqueiro, o que o enquadra como organismo com expressiva importância econômica (Ivo & Gesteira, 1999). Além disso, esse caranguejo desempenha funções importantes em áreas de manguezal, como processamento da serrapilheira (Nordhaus et al., 2006), fluxo energético (Conde et al., 2000), ciclagem de matéria orgânica (Guest et al., 2006) e bioturbação do sedimento (Amouroux & Tavares, 2005). Porém, a sobrepesca e a devastação dos manguezais vêm reduzindo drasticamente os estoques pesqueiros deste caranguejo ao longo da costa brasileira (Abrunhosa et al., 2002).

Os manguezais do Norte e do Nordeste são as principais áreas de ocorrência do caranguejo-uçá na costa brasileira (IBAMA, 1994), sendo que no Estado de Pernambuco, essa espécie figura desde o Município de Goiana, no litoral norte, até São José da Coroa Grande, no litoral sul, com destaque à captura mais acentuada observada dos municípios do Cabo de Santo Agostinho, Sirinhaém, Rio Formoso e Tamandaré (Botelho et al., 1999). A importância socioeconômica desta espécie é mais relevante no Norte e no Nordeste (Neto, 2011), onde é capturada em grandes volumes, sendo um dos principais itens alimentares da culinária regional e, principalmente, muito apreciado pelos turistas (Botelho et al., 1999). De acordo com Neto (2011), a produção do caranguejo-uçá no litoral brasileiro era de 11.900 t em 1995 e caiu para apenas 6.800 t em 2007, sinalizando uma redução de 43% na produção total anual. No Estado de Pernambuco, a produção anual de 2002 a 2007 foi de 115,1 t (Neto, 2011).

A atividade de captura de Ucides cordatus é uma das mais antigas práticas de extrativismo nos manguezais do Brasil, com muitas comunidades tradicionais ainda sobrevivendo de sua extração (Geo Brasil, 2002). A Portaria n° 34 do IBAMA de 24 de julho de 2003, regula a explotação dessa espécie nos Estados do Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia, proibindo, anualmente, de 1º de dezembro a 31 de maio, a captura, a manutenção em cativeiro, o transporte, o beneficiamento, a industrialização e comercialização de fêmeas desta espécie (Portaria n° 52 do IBAMA de 30 de setembro de 2003). Essa mesma resolução também estabeleceu o tamanho mínimo de captura dos exemplares de Ucides cordatus em 60,0 mm de largura da carapaça. A elaboração dessas resoluções sobre a captura de Ucides cordatus foi baseada em estudos sobre a reprodução da espécie em vários manguezais ao longo do litoral brasileiro, tais como nos Estados de Pernambuco (Botelho et al., 1999), Paraíba (Alves & Nishida, 2004), Alagoas (Araújo & Calado, 2008), Rio Grande do Norte (Vasconcelos et al., 1999; Ivo & Vasconcelos, 2000), Paraná (Dalabona & Silva, 2005) e Santa Catarina (Branco, 1993; Wunderlich et al., 2008).

Amaral & Jablonski (2005) fazem menção à contínua diminuição dos estoques e redução do tamanho de algumas espécies de caranguejos, entre eles Cardisoma guanhumi Lattreille, 1825 e Ucides cordatus. Tal redução, segundo esses pesquisadores, pode ser atribuída à sobrepesca, captura seletiva e degradação do habitat dessas espécies, os manguezais. De acordo com Neto (2011), os aspectos anteriormente descritos podem ter sido, em parte, os motivadores para que Ucides cordatus tenha constado na proposta formulada em 2002, como espécie ameaçada de extinção e, posteriormente, passado para a relação de espécies sobrepescadas ou ameaçadas de sobrepesca (IN MMA n° 5/04). Nesse sentido, os estudos sobre período reprodutivo apresentam informações de suma importância, principalmente para as espécies exploradas comercialmente, propiciando a elaboração ou modificação das leis de defeso conscientes, que contribuam para a manutenção do(s) estoque(s) populacional(is) (Dalabona et al., 2005).

O período reprodutivo, para muitos crustáceos decápodos, pode ser estimado por observações da maturação gonadal em nível macroscópico (cor, peso e morfologia), microscópico (desenvolvimento ovocitário), como também pela frequência de fêmeas ovígeras ao longo dos meses do ano (Mouton & Felder, 1995; Mantelatto & Fransozo, 1999; Santos & Negreiros-Fransozo, 1999; Negreiros-Fransozo et al., 2002; Silva-Castiglioni et al., 2006; Castiglioni et al., 2007; Castiglioni et al., 2011).

Vários estudos já foram desenvolvidos com a espécie Ucides cordatus ao longo dos manguezais da costa brasileira, tratando a maioria deles da dinâmica populacional (Branco, 1993; Ivo et al., 1999; Ivo & Gesteira, 1999; Alves & Nishida, 2004; Monteiro & Coelho-Filho, 2004; Diele et al., 2005; Andrade et al., 2007; Fernandes & Carvalho, 2007; Araújo & Calado, 2008; Wunderlich et al., 2008) e também de aspectos da reprodução, como período reprodutivo (Dalabona & Silva, 2005; Wunderlich et al., 2008; Goes et al., 2010), desenvolvimento gonadal (Leite et al., 2006), desenvolvimento embrionário (Pinheiro & Hattori, 2003), fecundidade/fertilidade e assentamento larval (Ventura et al., 2008). Apesar da importância de Ucides cordatus como recurso pesqueiro no Estado de Pernambuco, têm sido desenvolvidos poucos estudos sobre o seu período reprodutivo na região, podendo-se citar os trabalhos de Botelho et al. (1999) e Monteiro & Coelho-Filho (2004) sobre a dinâmica populacional nos estuários dos Rio Formoso e Ilhetas e no estuário do Rio Paripe, respectivamente. Recentemente, o crescimento relativo à maturidade sexual morfológica e fisiológica e à dinâmica populacional do caranguejo-uçá foi investigado em duas áreas de manguezais do litoral sul pernambucano (Ariquindá e Mamucabas) por Castiglioni et al. (2011), Castiglioni & Coelho (2011) e Oliveira et al. (2013), respectivamente. Devido à escassez ou ao fato de os trabalhos sobre reprodução de Ucides cordatus serem antigos no Estado de Pernambuco, o presente estudo foi desenvolvido com o intuito de determinar e confirmar o período reprodutivo desta espécie em duas novas áreas de manguezais (Ariquindá e Mamucabas), visando contribuir com informações sobre a biologia reprodutiva da espécie para a tomada de decisões futuras sobre a pesca desse recurso.

 

2. MATERIAL E MÉTODOS

As coletas foram realizadas nos manguezais dos rios Ariquindá (8°46’43,69” S e 35°06’25,87” O) e Mamucabas (8°41’28,48” S e 35°06’09,32” O), ambos localizados no Município de Tamandaré (PE), no extremo sul do litoral pernambucano, a 110 Km da capital (Recife). Esta região possui estações bem definidas: seca (setembro a dezembro) e chuvosa (janeiro a julho) (Moura & Passavante, 1995).

O Rio Ariquindá está inserido na Área de Preservação Ambiental (APA) de Guadalupe, possuindo uma extensão de 7 km que, juntamente com seu afluente União, detém grande importância como componentes da Bacia do Rio Formoso (CPRH, 1999). A área de manguezal do Rio Ariquindá, escolhida para a amostragem dos caranguejos, localiza-se próxima à sua confluência com o Rio Formoso, na Praia de Carneiros, sendo o mangue composto, predominantemente, por Rhizophora mangle (Linnaeus 1753), seguido de Laguncularia racemosa Linnaeus, 1807) e Avicennia shaweriana. O substrato das áreas de amostragem do caranguejo-uçá foi caracterizado como areno-lamoso (observação pessoal). Estudos indicam que o estuário do Rio Ariquindá não sofre fortes impactos antrópicos, estando isento de poluição orgânica (Grego et al., 2009), mas, com a construção da ponte sobre o rio, processos erosivos passaram a ser observados na região (Pinho, 2007)

O Rio Mamucabas localiza-se quase totalmente no Município de Tamandaré (PE), nascendo a oeste da Reserva Biológica de Saltinho, próximo ao Engenho Barro Branco, e represado ao penetrar na reserva, formando um reservatório que abastece a cidade de Tamandaré. Da nascente até a Planície Costeira, que ocorre nos arredores do núcleo urbano supracitado, o Rio Mamucabas percorre sentido noroeste-sudeste, quando segue na direção sul até a desembocadura, onde se encontra com o Rio Ilhetas, desaguando no Pontal que leva esse nome (CPRH, 1999). A área de amostragem de Ucides cordatus localiza-se próxima à desembocadura desses rios, sendo o mangue composto, predominantemente, por L. racemosa, seguido de R. mangle e, em menor abundância, de Avicennia shaweriana. O substrato das áreas de amostragens também foi caracterizado como areno-lamoso (observação pessoal). No final de década de 80, o rio Mamucabas foi considerado pelo IBAMA (1989) como um dos rios de águas mais saudáveis do Estado de Pernambuco. Entretanto, durante a realização de saídas de campo, foram observados determinados impactos em algumas áreas do estuário, como desmatamento, deposição de resíduos sólidos e ocupação imobiliária (Santos et al., 2001; Araújo et al., 2012).

Os caranguejos foram coletados mensalmente de abril/2008 a março/2009, por um catador experiente, usando a técnica de braceamento (o catador coloca o braço na toca até sentir o animal, que é, então, capturado pela região dorsal) em três quadrados amostrais de 25 m2 cada, por manguezal avaliado, que foram posicionados aleatoriamente por sorteio e paralelamente ao rio de forma equidistante (20 m). Cabe salientar que foram recolhidos todos os caranguejos encontrados em cada área. Após as amostragens, os caranguejos foram acondicionados em sacos plásticos e transportados em caixas térmicas até o laboratório, onde foram analisados quanto ao sexo (determinado visualmente com base na morfologia do abdômen) (Pinheiro & Fiscarelli, 2001) e à condição ovígera, além de ser mensurada a largura da carapaça (LC) e o comprimento da carapaça (CC) de cada exemplar com um paquímetro digital (0,01 mm). Posteriormente, a carapaça foi removida para a verificação macroscópica do estágio de desenvolvimento gonadal de cada espécime, o qual foi registrado (análise morfológica, de tamanho e coloração). Assim, as gônadas foram analisadas e classificadas, segundo o sexo, em cinco estágios para fêmeas e seis estágios para machos, modificados de Botelho et al. (1999), Ivo et al. (1999) e Pinheiro & Fiscarelli (2001) (Tabela I).

A frequência relativa de cada estágio gonadal, para ambos os sexos, nas duas áreas de manguezal, foi analisada mensalmente para avaliação da dinâmica do desenvolvimento das gônadas durante um ciclo anual. A determinação da frequência de indivíduos imaturos, em maturação e maturos ao longo das estações do ano foi efetuada pelo agrupamento dos estágios gonadais, a saber: imaturo (estágio imaturo e rudimentar); em maturação (estágio em desenvolvimento); e maturo (estágios desenvolvido, avançado e esgotado). Para machos não se observou gônada no estágio avançado. O agrupamento dos estágios baseou-se em trabalho desenvolvido com Ucides cordatus por Pinheiro & Fiscarelli (2001). A proporção de machos e fêmeas com gônadas em cada estágio de maturação (imaturas, em maturação e maturas) foram comparadas entre as estações do ano para cada área de manguezal através do teste de proporções multinomiais (MANAP) (α= 0,05) (Curi & Moraes, 1981).

A temperatura ambiente e do interior das galerias abertas de Ucides cordatus foram registradas com um termômetro digital por ocasião das amostragens dos caranguejos. As averiguações das temperaturas foram realizadas sempre na maré-baixa e durante o período da manhã, antes da amostragem dos caranguejos, em áreas sombreadas e dentro da área dos quadrados. Ambas as temperaturas foram monitoradas mensalmente no começo, meio e fim de cada amostragem para, serem calculados os valores médios por estação do ano. Posteriormente, uma análise de correlação de Pearson foi utilizada para testar a associação entre a frequência de machos e fêmeas maduros e a temperatura ambiental e do interior das tocas (α= 0,05) (Zar, 1996).

O período reprodutivo de Ucides cordatus foi determinado pela frequência sazonal de fêmeas ovígeras em relação às fêmeas adultas, como também pela frequência sazonal de gônadas maduras, conforme sugerido por Pinheiro & Fiscarelli (2001). A proporção de caranguejos maduros e a proporção de fêmeas ovígeras ao longo das estações do ano (outono= abril, maio e junho; inverno= julho, agosto e setembro; primavera= outubro, novembro e dezembro; verão= janeiro, fevereiro e março) foram comparadas através do teste de proporções multinomiais (MANAP) (α= 0,05) (Curi & Moraes, 1981).

Os tamanhos mínimo, máximo e médio (± desvio padrão) da largura da carapaça das fêmeas ovígeras de Ucides cordatus foram registrados e quantificados em cada área de manguezal. A largura média da carapaça foi comparada entre as fêmeas ovígeras dos diferentes manguezais por meio do teste t, ao nível de significância de 5% (Zar, 1996). Além disso, a distribuição de frequência por classe de tamanho de largura da carapaça das fêmeas ovígeras de Ucides cordatus foi estimada em Ariquindá e Mamucabas.

 

3. RESULTADOS

Um total de 1.424 caranguejos foram analisados quanto ao desenvolvimento das gônadas, dos quais 619 espécimes em Ariquindá (344 machos e 275 fêmeas) e 805 em Mamucabas (421 machos e 384 fêmeas). Na tabela II, constam os tamanhos mínimo, máximo e médio (± desvio padrão) de cada sexo e estágio de desenvolvimento gonadal para as duas áreas nas quais foram amostrados os exemplares de Ucides cordatus.

Todos os estágios gonadais dos machos ocorreram ao longo do ano, independentemente da localidade (Ariquindá e Mamucabas, Figura 1), com exceção do estágio imaturo, ausente nos meses mais quentes do ano. Fato similar ocorreu com as fêmeas, embora a exceção tenha ocorrido com as gônadas avançadas, não observadas nos meses mais chuvosos em ambas as áreas de manguezais (junho a outubro) (Figura 2).

Em uma abordagem sazonal, os machos com gônadas imaturas ocorreram durante todo o ano (Figura 3), mas com maior frequência no outono em Ariquindá e Mamucabas (p<0,05) (Tabela III e Figura 3). Aqueles com gônadas em processo de maturação foram mais abundantes na primavera e no verão em Ariquindá e na primavera em Mamucabas (p<0,05) enquanto os maturos foram mais frequentes durante a primavera e o verão em ambas as áreas de manguezais nas quais de Ucides cordatus foi amostrado no Estado de Pernambuco (p<0,05) (Tabela III).

Em Ariquindá, fêmeas com gônadas imaturas não foram observadas no verão e em Mamucabas, foram observadas ao longo do ano (Figura 4). Em relação às fêmeas com gônadas em maturação, estas ocorreram ao longo do ano com maior frequência no outono e no inverno em Ariquindá e no outono em Mamucabas (p<0,05) (Tabela IV). As fêmeas que apresentavam gônadas maduras e aptas à reprodução foram encontradas ao longo de todas as estações do ano, sendo mais numerosas no verão em ambas as áreas de manguezais (p<0,05) (Tabela IV) (Figura 4).

A frequência relativa de machos maduros de Ucides cordatus (machos com gônadas em desenvolvimento + desenvolvidas + esgotadas) tende a aumentar com o aumento da temperatura ambiente e, também, com a temperatura no interior das tocas, tanto em Ariquindá (Temperatura ambiente r= 0,78; Temperatura das tocas r= 0,97; p<0,05) como em Mamucabas (Temperatura ambiente r= 0,93; Temperatura das tocas r= 0,97; p<0,05). Nas fêmeas, observou-se correlação positiva entre a frequência relativa de fêmeas com gônadas maduras (gônadas em desenvolvimento + desenvolvidas + avançadas + esgotadas) e a temperatura ambiente e no interior das tocas em Ariquindá (Temperatura ambiente r= 0,78; Temperatura das tocas r= 0,54; p<0,05) e em Mamucabas (Temperatura ambiente r= 0,94; Temperatura das tocas r= 0,81; p<0,05).

O número total de fêmeas ovígeras de Ucides cordatus amostradas no período de estudo nas duas áreas de manguezal foi baixo, correspondendo a 29,7% das fêmeas adultas em Ariquindá (n=33; entre fevereiro e abril, com 8, 15 e 10 exemplares/mês) e 14% em Mamucabas (n=35; entre janeiro e abril, com 1, 12, 15 e 7 exemplares/mês). As fêmeas ovígeras de Ucides cordatus ocorreram apenas no verão e no outono nas duas áreas de manguezais, sendo em Ariquindá de 23:10 (verão:outono) e em Mamucabas de 28:7, com a frequência de fêmeas ovígeras no verão significativamente superior nas duas áreas de amostragem (MANAP; p<0,05) (Figura 5).

A largura da carapaça das fêmeas ovígeras de Ariquindá variou de 29,56 a 66,78 mm, com média (± desvio padrão) de 48,25 ± 7.52 mm. Em Mamucabas a menor e a maior fêmea ovígera possuíam 38,08 e 60,82 mm, respectivamente, com tamanho médio de 48,92 ± 6,6 mm. O tamanho médio da largura da carapaça das fêmeas ovígeras não apresentou diferença significativa entre as diferentes áreas de manguezais (t= - 0,75; p<0,05). Do total de fêmeas ovígeras amostradas, 75,8% e 65,7% distribuíram-se entre 40,0 a 55,0 mm de largura da carapaça em Ariquindá e Mamubacas, respectivamente (Figura 6).

 

 

4. DISCUSSÃO

Os crustáceos podem se reproduzir durante todos os meses do ano (padrão contínuo) ou se restringir a alguns meses em que as condições ambientais são mais favoráveis (padrão descontínuo ou sazonal) (Sastry, 1983). Nos dois manguezais onde os exemplares de Ucides cordatus foram amostrados (Ariquindá e Mamucabas), as fêmeas com gônadas maduras foram registradas durante todo o ano, embora com maior frequência no verão, sendo que nessa estação também foi registrada a maior frequência de fêmeas ovígeras (janeiro a abril). Os machos com gônadas maduras foram observados também ao longo do ano, mas com maior expressividade nas estações mais quentes (primavera e verão). Assim, tais resultados, juntamente com a presença de fêmeas ovígeras apenas no verão e outono (com menor frequência), confirmam o período reprodutivo de Ucides cordatus como sazonal nas duas áreas analisadas no presente trabalho, conforme já observado no Nordeste brasileiro por Botelho et al. (1999) e Ivo et al. (1999), bem como no Sul-Sudeste por Pinheiro & Fiscarelli (2001), Dalabona & Silva (2005) e Wunderlick et al. (2008).

A ocorrência de gônadas maduras em machos durante todo o ano pode estar relacionada com a maior velocidade do ciclo espermiogênico em relação ao oogênico como observado por Mota-Alves (1975) para Ucides cordatus. No caso das fêmeas, a maior expressividade de exemplares com gônadas maduras (primavera e verão), nos períodos de maiores temperaturas (primavera e verão) e síncrono as maiores frequências de fêmeas ovígeras (verão), confirma os resultados de outros autores para as regiões, Norte, Nordeste, Sul e Sudeste brasileiras (Alcântara-Filho, 1978; Costa, 1979; Vasconcelos et al., 1999; Diele, 2000; Pinheiro & Fiscarelli, 2001; Araújo & Calado, 2008; Wunderlich et al., 2008). A frequência de exemplares de Ucides cordatus com gônadas maduras, independentemente do sexo, tende a aumentar com a elevação térmica do ambiente e da água no interior das galerias. A constatação da ocorrência simultânea de exemplares com gônadas maduras em períodos de maiores temperaturas, coincide com a capacidade das larvas de reduzir o tempo de exposição no plâncton pelo fato de encurtar o seu desenvolvimento, pois esta é uma fase crítica na vida desses organismos devido à predação (Morgan, 1996; Morgan & Christy, 1996).

A estação reprodutiva restrita nos caranguejos semiterrestres pode estar relacionada, principalmente, às mudanças sazonais na temperatura, ao fotoperíodo e à disponibilidade de recursos alimentares (Pillay & Ono 1978). Tal aspecto já foi ressaltado para Ocypode quadrata (Fabricius, 1787) por Negreiros-Fransozo et al. (2002), que verificaram associação positiva das fêmeas com gônadas desenvolvidas com a temperatura (atmosférica e da água superficial) e pluviosidade, como também para Uca rapax (Smith, 1870), por Castiglioni et al. (2007), em relação à temperatura ambiental. Além disso, o fotoperíodo, a disponibilidade de alimento e a pluviosidade podem também ser outros fatores que influenciam a reprodução em braquiúros (Conde & Díaz, 1989; Zimmerman & Felder, 1991; Flores & Negreiros-Fransozo, 1998; Cobo & Fransozo, 2003; Litulo, 2004; Diele et al., 2005; Wunderlich et al., 2008). Portanto, estudos sobre o fotoperíodo, a pluviosidade e a disponibilidade de recursos alimentares dos estoques de Ucides cordatus, podem, também, contribuir para o entendimento dos resultados obtidos, uma vez que, esses fatores já foram apontados como influenciadores na dinâmica da reprodução (Alcântara-Filho, 1978; Costa, 1979; Diele, 2000; Pinheiro & Fiscarelli, 2001; Wunderlich et al., 2008).

A maturidade sexual morfológica das populações de Ucides cordatus, determinada anteriormente por Castiglioni & Coelho (2011), evidenciou uma antecipação da maturidade em comparação a outros estoques pesqueiros de Pernambuco, que maturam com tamanho superior. Caranguejos com gônadas aptas à reprodução apresentaram tamanho inferior (LC) aos 60,0 mm estabelecidos pela Portaria nº 70/2000 do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e, além disso, as fêmeas ovígeras apresentaram um tamanho médio de aproximadamente 48,0 mm de largura da carapaça em ambos os manguezais. Esses resultados aliados ao de Castiglioni & Coelho (2011) sugerem a necessidade de implantar novas políticas de manejo para esta espécie na costa pernambucana, uma vez que, os estoques têm se reproduzido com tamanhos bem inferiores ao mínimo determinado previamente na região de Tamandaré (35,5 mm em machos e 38,0 mm em fêmeas) (Botelho et al., 1999) e também pelo fato de que machos e fêmeas com tamanhos superior a 60,0 mm foram pouco frequentes nas amostragens realizadas por Oliveira et al. (2013) nestes mesmos estoques de Ucides cordatus. Provavelmente, essa antecipação na reprodução, deve-se à exploração excessiva sofrida ao longo dos últimos anos pelas populações analisadas. De acordo com Botelho et al. (1999), nos manguezais dos municípios pernambucanos de Rio Formoso e Tamandaré, os estoques de caranguejo-uçá sofrem grande pressão durante o verão, resultado do aumento da demanda por produtos marinhos e estuarinos, com a presença na região de grande número de turistas. Além disto, nessa época, aumenta também o número de catadores nos ambientes estuarinos, com o ingresso de catadores sazonais de caranguejo, oriundos das atividades de agricultura, construção e transporte (Botelho et al., 1999). A prática de captura com redinha, método de pesca ilegal (Portaria n° 52 do IBAMA de 30 de Setembro de 2003) supostamente mais predatório na captura de caranguejo, é utilizada com maior intensidade nesse período. Diele (2000) sugeriu que a baixa taxa de crescimento observada em uma população de Ucides cordatus do norte do Brasil, significa que esta espécie é altamente vulnerável à sobrepesca. Além disso, de acordo com esses mesmos autores, o decréscimo no número de machos maiores em áreas muito exploradas indica uma provável redução da capacidade do ecossistema para amortecer ações negativas em sua condição natural, e, se a pressão continuar, a produção será, provavelmente, inferior.

Tendo em vista a importância biológica de estudos sobre o período reprodutivo para a manutenção dos estoques de espécies exploradas comercialmente, essa pesquisa mostrou que Ucides cordatus, na região de Tamandaré, se reproduz no verão e no início do outono (janeiro a abril), sendo que esta estação reprodutiva está dentro do período de defeso estipulado pela Portaria nº 34 do IBAMA de 24 de julho de 2003. No entanto, os estoques do caranguejo-uçá analisados no presente trabalho estão aptos à reprodução com tamanho inferior ao de outros já estudados ao longo da costa brasileira (ver Castiglioni & Coelho, 2011), fato este confirmando pelo tamanho médio dos machos e das fêmeas com gônadas desenvolvidas, pelo tamanho mínimo das fêmeas ovígeras e, também pelo tamanho estimado da maturidade sexual por Castiglioni & Coelho (2011). Os presentes resultados reforçam a necessidade de um plano de manejo do caranguejo-uçá na região de Tamandaré e podem ajudar na implementação de novas políticas de controle de captura do caranguejo-uçá para a costa pernambucana (principalmente no verão), contribuindo, assim, para a manutenção dos estoques que são comercialmente explorados. Além disso, a implantação de ações socioambientais junto à comunidade ribeirinha e pescadores poderão ajudá-los a compreender o papel ecológico, econômico e social do caranguejo-uçá.

 

AGRADECIMENTOS

À Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (FACEPE), pelo apoio financeiro para o desenvolvimento do projeto (APQ 0108-2.04/07), e ao CNPq, pela Bolsa de Desenvolvimento Regional (DCR) ao co-autor D.S.C. Aos colegas do GEDECPE (Grupo de Estudo sobre Diversidade e Ecologia de Crustáceos de Pernambuco), pelo auxílio durante as atividades laboratoriais, e ao Sr. Adriano Augusto Nascimento Martins, pelo auxílio nas saídas de campo.

 

BIBLIOGRAFIA

Abrunhosa, F.A.; Silva Neto, A.A.; Melo, M.A.; Carvalho I.O. (2002) - Importância da alimentação e do alimento no primeiro estágio larval de Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Decapoda, Ocypodidae). Revista Ciência Agronômica (ISSN: 1806-6690), 33(2):5-12, Fortaleza, CE, Brasil. Disponível em: http://www.ccarevista.fc.br/site/down.php?arq=12rca33-2.pdf

Alcantara-Filho, P. (1978) - Contribuição ao estudo da biologia e ecologia do caranguejo-uçá Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763) (Decapoda, Brachyura) no manguezal do Rio Ceará (Brasil). Arquivos de Ciências do Mar (ISSN: 0374-5686), 18(1/2):1−41, Fortaleza, CE, Brasil. Disponível em: http://www.labomar.ufc.br/images/stories/arquivos/ArqCienMar/V18_1978/acm_1978_18_1-2_01.pdf

Alves, R.R.N.; Nishida, A.K. (2004) - Population structure of the mangrove crab Ucides cordatus (Crustacea: Decapoda: Brachyura) in the estuary of the Mamanguape River, northeast Brazil. Tropical Oceanography (ISSN: 1679- 3013), 32(1):23-37, Recife, PE, Brasil. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/tropicaloceanography/artigos_completos_resumos_t_d/32_2004_1_alves.pdf        [ Links ]

Amaral, A.C.Z.; Jablonski, S. (2005) - Conservation of marine and coastal biodiversity in Brazil. Conservation Biology, 19(3):331-349. DOI: 10.1111/j.1523-1739.2005.00692.x        [ Links ]

Amouroux, J.M.; Tavares, M. (2005) - Natural recovery of Amazonian mangrove Forest as revealed by brachyuran crab fauna: preliminary description. Vie et Milieu / Life and Environment (ISSN: 0240-8759), 55(2):71-79, Observatoire Océanologique, Université Pierre et Marie Curie, Banyuls-sur-Mer, France        [ Links ]

Andrade, C.E.; Vasconcelos, J.A.; Oliveira, S.M.; Ivo, C.T.C. (2007) - Biologia e pesca do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763), no estuário do Rio Curimatau, município de Canguaretama – Rio Grande do Norte. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104 – 6411), 15(1):31-41, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/index.php?id_menu=51&arquivo=modulos/boletim/res.php&id_arq=165

Araújo, M.S.L.C. & Calado, T.C.S. (2008) - Bioecologia do Caranguejo-Uçá Ucides cordatus (Linnaeus) no Complexo Estuarino Lagunar Mundáu/Manguaba (CELMM), Alagoas, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, 8(2):169-181. DOI: 10.5894/rgci141        [ Links ]

Araújo, M.S.L.C.; Castiglioni, D.S.; Coelho, P.A. (2012). Width-weight relationship and condition factor of Ucides cordatus (Crustacea, Decapoda, Ucididae) at tropical mangroves of Northeast Brazil. Iheringia, Série Zoologia (ISSN: 0073-4721), 102:277-284, Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-47212012000300005        [ Links ]

Botelho, E.R.O; Dias, A.F. & Ivo, C.T.C. (1999) - Estudo sobre a biologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763), capturado nos estuários dos rios Formoso (Rio Formoso) e Ilhetas (Tamandaré), no estado de Pernambuco. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104 – 6411), 7(1):117-145, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/index.php?id_menu=51&arquivo=modulos/boletim/res.php&id_arq=48

Branco, J.O. (1993) - Aspectos bioecológicos do caranguejo Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Decapoda) do manguezal do Itacorubi, Santa Catarina, BR. Arquivos de Biologia e Tecnologia (ISSN: 0365- 0979), 36(1): 133-148, Curitiba, PR, Brazil. Disponível em: http://www.avesmarinhas.com.br/44.pdf        [ Links ]

Castiglioni, D.S.; Coelho, P.A. (2011) - Determinação da maturidade sexual de Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Brachyura, Ucididae) em duas áreas de manguezais do litoral sul pernambucano - Brasil. Iheringia, Série Zoologia (ISSN: 0073-4721), 101:138-144, Porto Alegre, RS, Brasil. . Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0073-47212011000100020&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Castiglioni, D.S., Negreiros-Fransozo, M.L.; Cardoso, R.C.F. (2007) - Breeding season and molt cycle of the fiddler crab Uca rapax (Brachyura, Ocypodidae) in a subtropical estuary, Brazil, South America. Gulf and Caribbean Research (ISSN: 1528-0470), 19:11-20, Ocean Springs, MS, USA.         [ Links ]

Castiglioni, D.S.; Silva, J.V.C.L.; Azevedo, D.S. (2011) - Relative growth and its use to determine the morphological sexual maturity of Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Decapoda, Brachyura, Ucididae) from two mangrove areas on the northeastern Brazilian coast. Crustaceana, 84(10):1221-1241. DOI: 10.1163/001121611X590139        [ Links ]

Castilho-Westphal, G.G.; Ostrensky, A.; Pie, M.R.; Boeger, W.A. (2008) - Estado da arte das pesquisas com o caranguejo-uçá, Ucides cordatus. Archives of Veterinary Science (ISSN: 1517-784X), 13(2):151-166, Curitiba, PR, Brasil. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/veterinary/article/view/12896/8756        [ Links ]

Cobo, V.J.; Fransozo, A. (2003) - External factors determining breeding season in the red mangrove crab Goniopsis cruentata (Latreille) (Crustacea, Brachyura, Grapsidae) on the São Paulo State northern coast, Brazil. Revista Brasileira de Zoologia (ISSN 0101-8175), 20(2):213-237, Curitiba, PR, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbzool/v20n2/v20n2a07.pdf        [ Links ]

CPRH (1999) - Diagnóstico Sócio-ambiental - Litoral Sul de Pernambuco. 89p., CPRH - Companhia Pernambucana do Meio Ambiente, Recife, PE, Brasil. Disponível em: http://www.cprh.pe.gov.br/downloads/2diagnpóstico_ambiental.pdf        [ Links ]

Conde, J.E.; Díaz, H. (1989) - The mangrove tree crab Aratus pisonii in a tropical estuarine coastal lagoon. Estuarine, Coastal and Shelf Science, 28(6):639-650. DOI: 10.1016/0272-7714(89)90051-6        [ Links ]

Conde, J.E.; Tognella, M.M.P.; Paes, E.T.; Soares, M.L.G.; Louro, I.A.; Schaeffer-Novelli, Y. (2000) - Population and life history features of the crab Aratus pisonii (Decapoda: Grapsidae) in a subtropical estuary. Interciência (ISSN: 0378-1844), 25(3):151-158, Caracas, Venezuela. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=33904505        [ Links ]

Costa, R.S.D. (1979) - Bioecologia do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763), crustáceo Decápode no Nordeste brasileiro. Boletim Cearense de Agronomia (ISSN: 0376-1150), 20:1-74, Fortaleza, CE, Brasil.         [ Links ]

Curi, P.R.; Moraes R.V. (1981) - Associação, homogeneidade e contrastes entre proporções em tabelas contendo distribuições multinomiais. Ciência e Cultura (ISSN: 0009-6725), 33 (5):712-722, Campinas, SP, Brasil.         [ Links ]

Dalabona, G.; Silva, J.L. (2005) - Período reprodutivo de Ucides cordatus (Linnaeus) (Brachyura, Ocypodidae) na Baía das Laranjeiras, sul do Brasil. Acta Biológica Paranaense (ISSN: 0301-2123), 34(1, 2, 3, 4):115-126, Curitiba, PA, Brasil. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/view/958/784        [ Links ]

Dalabona, G.; Silva, J.L.; Pinheiro, M.A.A. (2005) - Size at morphological maturity of Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Brachyura, Ocypodidae) in the Laranjeiras Bay, southern Brazil. Brazilian Archives of Biology and Technology (ISSN 1516-8913), 48(1):139-145, Curitiba, PA, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/babt/v48n1/a18v48n1.pdf        [ Links ]

Diele, K. (2000) - Life history and population structure of the exploited mangrove crab Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Decapoda: Brachyura) in the Caeté Estuary, North Brasil. 103 p., PhD thesis, Zentrum für Marine Tropenökologie, Universität Bremen, Bremen, Germany. Unpublished        [ Links ]

Diele, K.; Koch, V.; Saint-Paul, U. (2005) - Population structure, catch composition and CPUE of the artisanally harvested mangrove crab Ucides cordatus (Ocypodidae) in the Caeté estuary, North Brazil: Indications for overfishing? Aquatic Living Resources, 18(2):169-178. DOI: 10.1051/alr:2005018        [ Links ]

Fernandes, M.E.B.; Carvalho, M.L. (2007) - Bioecologia de Ucides cordatus Linnaeus, 1763 (Decapoda; Brachyura) na costa do Estado do Amapá. Boletim do Laboratório de Hidrobiologia (ISSN: 1982 6421), 20:14-21, São Luís, MA, Brasil.         [ Links ]

Flores, A.A.V.; Negreiros-Fransozo, M.L. (1998) - External factors determining seasonal breeding in a subtropical population of the shore crab Pachygrapsus transversus (Gibbes, 1850) (Brachyura, Grapsidae). Invertebrate Reproduction and Development 34(2-3):149-155. DOI: 10.1080/07924259.1998.9652647        [ Links ]

Geo Brasil (2002) - Perspectivas do Meio Ambiente no Brasil. 447p., Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis, Brasília, DF, Brasil, ISBN: 85-7300-144-5 Disponível on-line em http://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/site_cnia/geo_brasil_2002.pdf        [ Links ]

Goes, P.; Branco, J.O.; Pinheiro, M.A.A.; Barbieri, E.; Costa, D.; Fernandes, L.L. (2010) - Bioecology of the uçá-crab, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763), in Vitória Bay, Espírito Santo State, Brazil, Brazilian Journal of Oceanography, 58(2):153-163, São Paulo, SP, Brasil. DOI: 10.1590/S1679-87592010000200006        [ Links ]

Grego, C.K. S.; Feitosa, F.A.N.; Silva, M.H.; Cunha, M.G.G.S.; Nascimento-Filho, G.A. (2009) - Fitoplâncton do ecossistema estuarino do Rio Ariquindá (Tamandaré, Pernambuco, Brasil): variáveis ambientais, biomassa e produtividade primária. Atlântica, 31(2):183-198. DOI: 10.5088/atl.2009.31.2.183        [ Links ]

Guest, M.A.; Connolly, R.M.; Lee, S.Y.; Loneragan, N.R.; Breitfuss, M.J. (2006) - Mechanism for the small-scale movement of carbono among estuarine habitats: Organic matter transfer not crab movement. Oecologia, 148(1):88-96. DOI: 10.1007/s00442-005-0352-5        [ Links ]

IBAMA (1989) - Unidades de conservação do Brasil. Parques Nacionais e Reservas Biológicas. pp.151-153, Brasília, DF, Brasil.         [ Links ]

IBAMA (1994) - Lagosta, caranguejo-uçá e camarão do Nordeste: relatórios das reuniões dos grupos permanentes de estudos. 190p., Ministério do Meio Ambiente e da Amazônia Legal. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Brasília, DF, Brasil.         [ Links ]

IBAMA (2003) - Portaria n° 52 de 30/09/2003. IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Brasília, DF, Brasil.

Ivo, C.T.C.; Gesteira, T.C.V. (1999) - Sinopse das observações sobre a bioecologia e pesca do caranguejo-uçá Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) capturado em estuários de sua área de ocorrência no Brasil. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104–6411), 7(2):9-52, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/modulos/boletim/visualiza.php?id_arq=45

Ivo, C.T.C.; Dias, A.F.; Mota, R.I. (1999) - Estudo sobre a biologia do caranguejo-uçá, Ucides cordtus cordatus (Linnaeus, 1763), capturado no Delta do Rio Parnaíba, Estado do Piauí. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104–6411), 7(1):53-84, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/index.php?id_menu=51&arquivo=modulos/boletim/res.php&id_arq=46

Leite, M.M.L.; Fonteles-filho, A.A.; Silva, J.R.F.; Cardoso, N.S. (2006) - Maturidade reprodutiva funcional do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Crustacea, Decapoda), no estuário do Rio Coreaú, Camocim, Ceará. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104 – 6411), 14(2):41-4, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/index.php?id_menu=51&arquivo=modulos/boletim/res.php&id_arq=153

Litulo, C. (2004) - Fecundity and breeding biology of the hermit crab Diogenes brevirostris (Stimpson, 1858) (Anomura: Diogenidae) from southern Mozambique. Invertebrate Reproductive and Development, 46(1):41-46. DOI: 10.1080/07924259.2004.9652604        [ Links ]

Mantelatto, F.L.M.; Fransozo, A. (1999) - Reproductive biology and moulting cycle of the crab Callinectes ornatus Ordway, 1863 (Decapoda, Brachyura, Portunidae) from Ubatuba region, São Paulo, Brazil. Crustaceana (ISSN: 0011-216x), 72(1):63-76. DOI: 10.1163/156854099502871        [ Links ]

Monteiro, B.R.; Coelho-Filho, P.A. (2004) - Estrutura populacional do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus, 1763) (Crustacea, Decapoda, Ocypodidae), no estuário do Rio Paripe, Itamaracá - Pernambuco. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104 – 6411), 12(2):101-114, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/index.php?id_menu=51&arquivo=modulos/boletim/res.php&id_arq=1

Morgan, S.G.; Christy, J.H. (1996) - Adaptive significance of the timing of larval release by crabs. American Naturalist (ISSN: 1537-5323), 145(3):457-479. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2463029        [ Links ]

Morgan, S. G. (1996) - Influence of tidal variation on reproductive timing. Journal Experimental Marine Biology and Ecology, 206:237-251. DOI: 10.1016/S0022-0981(96)02606-8        [ Links ]

Mota-Alves, M.I. (1975) - Sobre a reprodução do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Linnaeus), em mangues do Estado do Ceará – Brasil. Arquivos de Ciências do Mar (ISSN: 0374-5686), 15(2):85-91, Fortaleza, CE, Brasil. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1667

Moura, R.T.; Passavante, J.Z.O. (1995) - Biomassa fitoplanctônica na baía de Tamandaré, Rio Formoso-Pernambuco, Brasil. Trabalhos Oceanográficos da Universidade Federal de Pernambuco (ISSN: 1679- 3013), 23:1-15, Recife, PE, Brasil. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/tropicaloceanography/artigos_completos_resumos_t_d/23_1994_1995_moura.pdf        [ Links ]

Mouton Jr., E.C.; Felder, D.L. (1995) - Reproduction of the fiddler crabs Uca longisignalis and Uca spinicarpa in a Gulf of Mexico salt marsh. Estuaries, (ISSN: 0160-8347), 18(3):469-481. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/1352365        [ Links ]

Negreiros-Fransozo, M.L.; Fransozo, A.; Bertini, G. (2002) - Reproductive cycle and recruitment period of Ocypode quadrata (Decapoda, Ocypodidae) at a sandy beach in southeastern Brazil. Journal of Crustacean Biology (ISSN: 1937-240X), 22(1):157-161. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/1549616        [ Links ]

Nordhaus, I.; Wolff, M.; Diele, K. (2006) - Litter processing and population food intake of the mangrove crab Ucides cordatus in a high intertidal forest in northern Brazil. Estuarine, Coastal and Shelf Science, 67(1/2):239-250. DOI: 10.1016/j.ecss.2005.11.022        [ Links ]

Oliveira, P. J. A.; Coelho, P. A. & Castiglioni, D. S. (2013) - Population biology of Ucides cordatus (Linnaeus, 1763)(Crustacea, Brachyura, Ucididae) from two tropical mangroves sites in northeast coast of Brazil. Pananjas, 8(2): 89-103. Disponível em:http://www.panamjas.org/pdf_artigos/PANAMJAS_8(2)_89-103.pdf        [ Links ]

Pillay, K.K.; Ono, Y. (1978) - The breeding cycles of two species of grapsid crabs (Crustacea: Decapoda) from the North coast of Kyushu, Japan. Marine Biology, 45(3):273-248. DOI: 10.1007/BF00390606.         [ Links ]

Pinheiro, M.A.A.; Fiscarelli, A.G. (2001) - Manual de apoio à fiscalização do caranguejo-uçá (Ucides cordatus). 43p., Centro de Pesquisa e Gestão dos Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul do Brasil/IBAMA, Itajaí, Brasil. ISBN: 8588570-02-5.         [ Links ]

Pinheiro, M.A.A.; Hattori, G.Y. (2003) - Embryology of the mangrove crab Ucides cordatus (Brachyura, Ocypodidae). Journal of Crustacean Biology, 23(3):729-737. DOI: 10.1651/C-2334        [ Links ]

Pinho, T.R.R. (2007) - Avaliação de impactos ambientais enquanto instrumento da política ambiental: aplicação do licenciamento de empreendimentos turístico-hoteleiros de Pernambuco. 128p., Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil. Não publicado.         [ Links ]

Santos, S.; Negreiros-Fransozo, M.L. (1999) - Reprodutive cycle of the swimming crab Portunus spinimanus Latreille (Crustacea, Decapoda, Brachyura) from Ubatuba, São Paulo, Brazil. Revista Brasileira de Zoologia, 16(4):1183-1193. DOI: 10.1590/S0101-81751999000400025          [ Links ]

Sastry, A.N. (1983) - Ecological aspects of reproduction. In: Vernberg & Vernberg (eds.), The Biology of Crustacea, 383p., Vol. 8. Environmental adaptations. Academic Press.         [ Links ]

Silva-Castiglioni, D.; Oliveira, G.T.; Bond-Buckup, G. (2006) - Dinâmica do desenvolvimento das gônadas de Parastacus varicosus (Crustacea, Decapoda, Parastacidae). Iheringia, Série Zoologia (ISSN: 0073- 4721), 96(4):413-417, Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S007347212006000400004&script=sci_arttext        [ Links ]

Vasconcelos, E. M. S.; Vasconcelos, J.A.; Ivo, C.T.C. (1999) - Estudo sobre a biologia do caranguejo uçá Ucides cordatus cordatus (Linnaeus, 1763) capturado no Estuário do Rio Curimatau (Canguaretama) no Estado do Rio Grande do Norte. Boletim Técnico-Científico do CEPENE (ISSN: 0104 – 6411), 7(1):85-116, Tamandaré, PE, Brasil. Disponível em: http://www4.icmbio.gov.br/cepene/index.php?id_menu=51&arquivo=modulos/boletim/res.php&id_arq=47

Ventura, R.; Silva U.A.T.; Perbiche-Neves, G.; Ostrensky, A.; Boeger, W.A.P.; Pie, M.R. (2008) - Duration of the Pre-Settlement Period of the Mangrove Crab Ucides cordatus (Decapoda: Ocypodidae) Under Laboratory Conditions. Brazilian Archives of Biology and Technology (ISSN: 1516-8913), 51(5):957-962, Curitiba, PA, Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/babt/v51n5/a12v51n5.pdf        [ Links ]

Wunderlich, A. C; Pinheiro, M.A.A. & Rodrigues, A.N. (2008) - Biologia do caranguejo-uçá, Ucides cordatus (Crustacea: Decapoda: Brachyura), na Baía da Babitonga, Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 25(2):188-198. DOI: 10.1590/S0101-81752008000200005        [ Links ]

Zar, J.H. (1996) - Biostatistical analysis. 662p., Prentice Hall, Upper Saddle River, NJ, U.S.A.         [ Links ]

Zimmerman, T.L.; Felder, D.L. (1991) - Reproductive ecology of an intertidal brachyuran crab, Sesarma sp.(nr. reticulatum), from the Gulf of México. Biological Bulletin (ISSN: 0006-3185), 181:387-401. Disponível em: http://www.biolbull.org/content/181/3/387.full.pdf        [ Links ]

 

 

*Submission: 6 March 2013; Evaluation: 12 April 2013; Reception of revised manuscript: 10 October 2013; Accepted: 30 October 2013; Available on-line: 5 December 2013

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons