SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.32 número1Controlo do escorrimento e da erosão em solos do Alentejo com poliacrilamidas aniónicas: rega de superfície e por aspersão (rampas rotativas)Efeito da prática continuada do regadio sobre o complexo de troca do solo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista de Ciências Agrárias

versão impressa ISSN 0871-018X

Rev. de Ciências Agrárias v.32 n.1 Lisboa jan. 2009

 

Controlo da salinidade do solo com recurso à sementeira directa

Control of the soil salinity by using direct drilling

J. P. Mendes1 & M.C. Carvalho2

 

RESUMO

A introdução do regadio utilizando água com teores moderados de sais, em zonas de clima semi-árido e em solos com má drenagem interna, conduz, a prazo, ao inevitável aumento da salinidade do solo e, provavelmente, ao risco de alcalização do mesmo. A maior parte das áreas de regadio, a beneficiar com as águas provenientes do Alqueva, enquadram-se nesta circunstância.

No presente estudo, pretende-se averiguar se, o aumento da infiltrabilidade do solo e a redução da evaporação directa, conseguida com uma elevada quantidade de resíduos à superfície do solo provenientes de uma cultura de cobertura seguida de s ementeira directa, possibilitam uma menor acumulação dos sais durante o Verão e uma maior lavagem, dos mesmos, durante o Inverno.

Para testar a sementeira directa com cultura de cobertura, como tecnologia para o controlo da salinidade, a longo prazo, em clima semi-árido e solos mal drenados, instalou-se um ensaio no Alto Alentejo no perímetro de rega do Caia, em Luvissolos Cálcicos (classificação FAO). O ensaio decorreu debaixo de uma rampa rotativa e tem como tratamentos principais dois sistemas de preparação do solo: sementeira directa sobre cultura de cobertura (SD); sistema convencional (SC), subdividido em dois níveis de salinidade da água (0,7 dS m-1 e 2 dS m-1) e em dois regimes hídricos (100% e 70% da ETc do SC). O regime hídrico mais baixo foi obtido por redução do diâmetro dos bicos dos aspersores numa coroa circular da rampa rotativa e as diferentes qualidades da água foram obtidas por aplicação de cloreto de sódio e de sulfato de magnésio à superfície do solo como se se tratasse de um fertilizante de cobertura, sólido.

Ao fim do segundo ano de ensaio, os valores de salinidade da solução do solo (1:2 em peso) nos primeiros 0,20 m são inferiores na sementeira directa (0,63 dS m-1 para a SD e 0,75 dS m-1 para o SC) e as diferenças são mais acentuadas no regime hídrico mais elevado.

Os valores mais baixos de condutividade eléctrica da solução do solo ao fim de dois anos são indicadores, de que, a sementeira directa, em conjunto com uma cultura de cobertura, poderá ser uma ferramenta útil na prática de uma agricultura de regadio sustentável, em clima semi-árido e em solos de baixa condutividade hidráulica, mesmo utilizando águas de rega com condutividade eléctrica (CE) moderada.

 

ABSTRACT

The use of water with moderated salt content for irrigation under semi-arid conditions, especially on soils with low saturated hydraulic conductivity, can lead to an increase of the salt content of the soil and even to an increase of exchangeable Na. This is a possible scenario in the Alqueva irrigation program in the South of Portugal.

The present study aims to evaluate the potential of direct drilling and soil mulching as a way to improve infiltration and reduce evaporation, in order to reduce salt accumulation during the summer and to improve leaching during the winter.

The trial has been carried out on a Calcic Luvisols (FAO classification) under centre pivot irrigation. There were used two soil tillage treatments (direct drilling and traditional – chisel plow plus two disc arrows), two levels of water salinity (0.7 dS m-1 and 2 dS m-1) and two water regimes (100% and 70% of Etc). The experimental design is a split plot, with tillage as the reference treatment.

After the second year the salinity in the top 0.20 m of the soil is lower under direct drilling (0.63 dS m-1) than under traditional tillage system (0.75 dS m-1). The differences between tillage treatments are more evident for the higher water regime.

The lowest values of electric conductivity in soil solution at the end of two years, indicate that direct drilling together with cover crop, can be a useful tool in irrigation under semi-arid conditions, in soils with low values of hydraulic conductivity, even when using water with moderated electrical conductivity (EC).

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Allen, R.G., Pereira, L.S., Raes, D. & Smith, M. 1998. Crop evapotranspiration--guidelines for computing crop water requirements. FAO Irrigation and Drainage-Paper 56, Rome, Italy.

Basch, G., Carvalho, M.J. & Marques F. 1996. No-tillage -Its Potential and Adoption in the Alentejo. Proceedings do Congresso Nacional sobre Agricultura de Conservacion. Rentabilidad y Medio Ambiente, Córdoba, Espanha.

Mendes, J.P. 2007. Utilização de um modelo expedito no apoio à condução da rega. Anexo Em formato digital ao livro de resumos do II Congresso Nacional de Rega e Drenagem, pp. 96. Fundão.

Nunes, J.M., Muñoz. A., Coelho, J. P., Dias, S., Garcia, A. & López-Piñeiro, A. 2006 Using a GIS for use and management of an irrigation area in the Spanish-Portuguese border threatened by Desertification. In J.L. Rubio, D.A. Mouat & F. Pedrazzini (eds.) Desertification in the Mediterranean Region. A Security Issue. W.G. Kepner, Springer Netherlands.         [ Links ]

Sequeira, E.M., Gomes M.P., Silva, A.S., Silva, J.V., Martins, J.C., Gonçalves, M.C., et al. 1995. Estudo Integrado de Impacte Ambiental do Empreendimento do Alqueva -Volume VII – Solos. Porugal.

Yagüe, J.L., 1998. Técnicas de Riego. Mundi-prensa, Madrid, Espanha.

 

1 Escola Superior Agrária de Elvas. Apartado 254 7350-903 Elvas, e-mail: jpm@esaelvas.pt;

2Departamento de Fitotecnia, Universidade de Évora. Largo dos Colegiais 2-7000 Évora, e-mail: mjc@uevora.pt

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons