SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número2Epilepsy in female adolescents: issues concerning epilepsy and antiepileptic drugs, contraception and pregnancyEncefalomielite aguda disseminada: série de casos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Nascer e Crescer

versão impressa ISSN 0872-0754versão On-line ISSN 2183-9417

Nascer e Crescer vol.26 no.2 Porto jun. 2017

 

ARTIGOS ORIGINAIS | ORIGINAL ARTICLES

 

Implicações da Respiração Oral e Deglutição Atípica na Postura Corporal

 

Implications of Mouth Breathing and Atypical Swallowing in Body Posture

 

 

Veronique SousaI; Maria PaçoI; Teresa PinhoI,II

I CESPU, Instituto de Investigação e Formação Avançada em Ciências da Saúde. 4585-116 Gandra, Portugal. veronique.sousa@hotmail.com; maria.a.paco@gmail.com; teresa.pinho@iucs.cespu.pt
II Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) / Inst. Inovação e Investigação em Saúde (i3S), Universidade do Porto. 4200-135 Porto, Portugal. teresa.pinho@iucs.cespu.pt

Correspondence to

 

 


RESUMO

Introdução: O sistema estomatognático é um conjunto de estruturas que se interligam para a realização de funções vitais. Alterações em qualquer uma das partes podem levar a um dese- quilíbrio postural geral.

Objetivo: Verificar se existe uma relação no padrão de respiração e deglutição com a postura corporal, oclusão dentária e hábitos orais deletérios da amostra.

Materiais e Métodos: A amostra final de n=50 constituiu-se por 34 crianças/adolescentes do sexo masculino e 16 do sexo feminino. Da avaliação constou um questionário sobre sinais e sintomas da respiração oral, uma avaliação clínica e uma avaliação postural fotogramétrica. A análise estatística e inferencial dos dados foi obtida recorrendo ao software SPSS-21.0, e foi utilizado um nível de significância de α=0,05.

Resultados: Verificou-se um predomínio da inclinação da cabeça à esquerda, elevação do ombro direito e tendência para a anteriorização da cabeça nos respiradores orais. Relativamente à oclusão verificou-se predomínio de oclusão Classe II de Angle e presença de um maior número de portadores de mordida aberta aquando da presença dos padrões de respiração oral e deglutição atípica. O estudo dos hábitos orais deletérios permitiu relacionar o padrão de respiração oral e deglutição atípica com hábitos de sucção digital e uso de chupeta.

Conclusão: Foram estabelecidas associações estatisticamente significativas entre o padrão de respiração e o alinhamento horizontal dos acrómios, bem como com o alinhamento horizontal e vertical da cabeça; entre o padrão de respiração e deglutição com as relações oclusal antero-posterior e oclusal vertical e ainda entre padrão de respiração e deglutição com hábitos de sucção digital e uso de chupeta.

Palavras-chave: Alterações funcionais; deglutição atípica; hábitos orais; má oclusão dentária; postura; respiração oral; sistema estomatognático


ABSTRACT

Introduction: The stomatognathic system is a set of structures that are interconnected to perform vital functions. Changes in any of the parts may lead to a general postural imbalance.

Purpose: To verify if there is a relation between breathing pattern and swallowing with posture, dental occlusion and harmful oral habits of the sample under study.

Materials and methods: The final sample of n=50 consisted of 34 children/ adolescents males and 16 females. The evaluation consisted of a questionnaire about signs and symptoms of mouth breathing, a clinical evaluation and a photogrammetric postural assessment, performed through software for Postural Assessment (SAPO®). Data analysis using descriptive and inferential statistics were obtained using the SPSS-21.0 software, and it was used a α=0.05 significance level.

Results: There was a predominance of head tilt to the left, right shoulder elevation and tendency to tilt the head forward in mouth breathers. Regarding the occlusion there was a predominance of Angle Class II malocclusion and the presence of a greater number of children with open bite that also presented oral breathing and atypical swallowing patterns. The study of the deleterious oral habits allowed to determine a relationship between the pattern of mouth breathing and atypical swallowing with digital sucking habits and pacifier use.

Conclusion: Statistically significant associations were established between the breathing pattern and the horizontal alignment of acromions, as well as the horizontal and vertical alignment of the head; between the pattern of breathing and swallowing with occlusal relationship anteroposterior and occlusal relationship vertical and also between breathing pattern and swallowing with digital sucking habits and pacifier use.

Keywords: Atypical swallowing; functional alterations; malocclusion; mouth breathing; oral habits; posture; stomatognathic system


 

 

INTRODUÇÃO

O sistema estomatognático é um conjunto complexo de estruturas que se interligam para a realização de funções vitais para o organismo. Essas estruturas não são especializadas numa só função e alterações em qualquer uma das partes levam a um desequilíbrio geral do sistema.1-14 A postura corporal global interfere na posição da cabeça, que por sua vez é diretamente responsável pela postura da mandíbula e da língua na cavidade oral. A relação inversa também pode ocorrer, com uma disfunção do sistema estomatognático, levando a alterações posturais.4,6,9,10,12,13 Alterações posturais podem ser consideradas normais até aos oito anos; após essa idade o corpo adapta-se e realinha, repondo a postura corporal.1,3-5,10 Porém, quando a criança respira pela boca, essas alterações poderão persistir.1-5,10 Por definição, o respirador oral é aquele individuo que respira predominantemente pela boca, por um período de pelo menos 6 meses, a partir de qualquer idade, independentemente da causa.5,9,12 A persistência da respiração oral durante a fase de crescimento pode determinar uma série de alterações que não se restringem à região craniofacial.1,3-7,9,12 A instalação da respiração oral pode ocasionar alterações miofuncionais, na postura corporal, na morfologia e na oclusão, bem como na qualidade de vida dos pacientes.1,2,4,6,9 As alterações posturais desencadeadas pela respiração oral estão relacionadas com o facto de o corpo se adaptar para facilitar a passagem do ar pela orofaringe, promovendo a anteriorização e a extensão da cabeça.1,5,7,9-11,15-19 Uma vez que os músculos agem de forma sinérgica objetivando o equilíbrio postural, estas alterações geram modificação em toda a postura corporal, como protusão e elevação das escápulas.1,4-7,15-17 A deglutição atípica está intimamente relacionada com a respiração oral, uma vez que com a respiração oral há necessidade de baixar a mandíbula ocorrendo o acompanhar da língua e consequente extensão da cabeça.6,11,14,15,20 Devido à mandíbula se encontrar mais abaixo e aos dentes não contactarem, pode causar uma sobre-erupção dos dentes posteriores, fazendo a mandíbula rodar para baixo e para trás, abrindo a mordida anteriormente, aumentando o overjet e a altura facial.17,20,21 O overjet aumentado irá levar a uma necessidade de interposição lingual para que ocorra deglutição, podendo dar origem a um padrão de deglutição atípica.11,19,20,22 Deste modo, a mordida aberta anterior está frequentemente as- sociada à causa de deglutição atípica, uma vez que facilitaria a projeção anterior da língua entre os dentes durante o ato de deglutir.11,15-17,19-22 Por sua vez, a deglutição atípica deve ser avaliada conjuntamente com a postura global, pois o posicionamento da língua está diretamente relacionado com o posicionamento da cabeça.3,6,9,12-14 Sendo assim, o estudo dos hábitos orais admite a importância da inter-relação entre forma e função, não devendo ser priorizada uma ou outra, mas estabelecidas relações entre elas.11,15-17,19-21

Com base no exposto, torna-se relevante uma investigação sobre a presença de sinais e sintomas da respiração oral e a sua relação com a presença de alterações funcionais, posturais e oclusais. Faz-se necessária uma pesquisa para alertar sobre esse problema que, se não tratado precoce e corretamente, poderá acarretar problemas funcionais, físicos e comportamentais.

 

MATERIAL E MÉTODOS

A população-alvo deste estudo consistiu em crianças e adolescentes com idades compreendidas entre os 10 e os 15 anos. Os critérios de exclusão foram: crianças e adolescentes submetidos a tratamento ortodôntico, fisioterapêutico, cirurgia ao nariz/amígdalas/adenóides, presença de problemas neurológicos, ortopédicos, malformações craniofaciais congénitas ou patologias graves previamente diagnosticadas.

Os responsáveis legais foram esclarecidos em relação ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e aos procedimentos adotados na avaliação, tendo este TCLE sido assinado pelos mesmos e tendo sido respeitados os princípios éticos preconizados pela declaração de Helsínquia.

Protocolo de avaliação Função Respiratória

A avaliação respiratória realizada baseou-se em três critérios: 1,17

1.             selamento labial sem contração muscular voluntária (normal);1,10,17,21

2.             tempo que conseguia respirar com os lábios selados (normal: no mínimo um minuto);1,17,21

3.             colocação de um pequeno espelho abaixo das narinas, solicitando que respirasse normalmente (normal: o espelho embacia).1,6,9,17,21

Quando um desses critérios se apresentou alterado, a criança foi classificada como respiradora oral.1,17

Em virtude da impossibilidade de realizar os exames otorrinolaringológicos para quantificar a permeabilidade do trato respiratório e definir o tipo específico de alteração respiratória, optou-se pela utilização dos termos respiração nasal   e oral como indicativos de normalidade e alteração, respetivamente.

Deglutição

Esta avaliação foi realizada, num primeiro momento, só com saliva, observando-se, sem tocar no examinando, uma possível projeção da língua e participação da musculatura perioral, com contração dos lábios e músculo mentoniano.14,21 Quando foram observados sinais e sintomas de irregularidades na deglutição, os lábios foram separados, para se obter a visualização confirmada da postura lingual.14,21 Se a criança apresentasse dificuldade extrema na deglutição aquando do selamento labial impedido e protrusão da língua contra os dentes, esta seria classificada como portadora de deglutição atípica.14,21

Oclusão

Na oclusão dentária foram avaliadas, segundo a classificação definida por Moyers (1991), as condições oclusais como classificação de Angle e padrões de má oclusão (mordida aberta anterior/mordida cruzada posterior).28-29

Avaliação Postural

A avaliação postural foi realizada por meio de análise fotogramétrica, com auxílio do software para Avaliação Postural (SAPO®), versão 0.67.30 Foi utilizada uma câmara fotográfica digital (Sony® Cyber-shot com 16.1 mega pixels de resolução), apoiada sobre um tripé.1-3

As crianças foram encaminhadas, individualmente, até uma sala previamente preparada para a análise postural. Um fio-de-prumo foi devidamente fixado ao teto atuando como marcação para calibração da imagem.1-3

As crianças foram fotografadas de tronco nú no caso dos rapazes, e com um top “cai cai” no caso das raparigas. Quando necessário, com os cabelos presos.

Na marcação dos pontos anatómicos utilizaram-se esferas de esferovite de 25mm de diâmetro e marcadores autocolantes. Marcados os pontos, cada criança foi posicionada ao lado do fio-de-prumo, a uma distância de três metros da câmara, conectada ao tripé de forma que ficasse a uma altura de metade da estatura do indivíduo. A avaliação foi constituída por quatro fotografias: plano frontal na vista anterior, plano sagital direito, plano frontal na vista posterior e plano sagital esquerdo. As crianças foram orientadas a manter os olhos abertos direcionados para o horizonte, sem indicação para correção postural.1-3

Foram selecionadas as seguintes variáveis:

•               Plano frontal vista anterior: alinhamento horizontal da cabeça e alinhamento horizontal dos acrómios;

•               Plano frontal vista posterior: assimetria horizontal da escápula em relação à vértebra T3;

•               Plano sagital: alinhamento horizontal da cabeça (C7) e alinhamento vertical da cabeça (acrómio).

Procedimentos Estatísticos

Os dados foram analisados estatisticamente através do software IBM SPSS Statistics®, v21.0.0.0, adotando-se o nível de significância de 5%.

Realizou-se estatística descritiva pelas medidas de tendência central (média) e de variabilidade (desvio padrão), e a análise da distribuição foi realizada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov. Na comparação das medidas em relação ao tipo de respirador, utilizou-se o teste T-Student (variáveis com distribuição normal) e o teste de Mann-Whitney (variáveis que não apresentavam distribuição normal).

A comparação das proporções foi realizada utilizando o Teste do Qui-Quadrado quando presentes os pressupostos para a sua utilização ou o Teste Exato de Fisher quando não presentes os pressupostos. Para verificar o grau de associação recorreu-se ao coeficiente V de Cramer.

 

RESULTADOS

Caracterização da amostra

A amostra final de n=50 foi constituída por 68% crianças/ adolescentes do sexo masculino e 32% do sexo feminino. A média de idades foi de 12,20±1,65.

Relativamente ao tipo de respiração e deglutição verificou-se que a frequência de respiradores orais foi a mesma do padrão de deglutição atípico. Prevaleceram aqueles com respiração nasal e deglutição normal (74%), quando comparadas aos com respiração oral e deglutição atípica (26%).

Análise Comparativa entre Padrão de Respiração e Postura Corporal Alinhamento horizontal da cabeça (vista anterior)

Predomínio da inclinação à esquerda nos respiradores orais e predomínio da inclinação à direita nos respiradores nasais. Em análise comparativa observou-se que as diferenças entre os grupos não se mostraram estatisticamente significativas (p>0,05). (Tabela 1).

Alinhamento horizontal dos acrómios (vista anterior)

Predomínio da elevação do ombro direito nos respiradores orais e predomínio da elevação do ombro esquerdo nos respiradores nasais. Em análise comparativa observou-se que as diferenças entre os grupos mostraram-se estatisticamente significativas (p<0,05). (Tabela 1).

Assimetria horizontal das escápulas em relação a T3 (vista posterior)

Predomínio da assimetria à esquerda em ambos os grupos, indicativo de que a escápula esquerda se encontra mais elevada e abduzida. Em análise comparativa observou-se que as diferenças não se mostraram estatisticamente significativas (p>0,05). (Tabela 1).

Alinhamento horizontal da cabeça (C7 - vista lateral)

Tendência para a anteriorização da cabeça nos respiradores orais. Em análise comparativa observou-se que as diferenças mostraram-se estatisticamente significativas (p<0,05), tendo menores valores para o grupo com padrão de respiração oral. (Tabela 1).

Alinhamento vertical da cabeça (acrómio - vista lateral)

Tendência para a anteriorização da cabeça nos respiradores orais. Em análise comparativa observou-se que as diferenças mostraram-se estatisticamente significativas (p<0,05), tendo maiores valores para o grupo com padrão de respiração oral. (Tabela 1).

Análise Associativa entre Respiração, Deglutição e Oclusão Dentária Relação oclusal Antero-Posterior, quanto à Respiração e à Deglutição

Verificou-se um predomínio de oclusão Classe II de Angle nas crianças com alterações ao nível da respiração e deglutição. Nas crianças com respiração nasal e deglutição normal verificou-se um predomínio de oclusão Classe I. O estudo relacional utilizando o coeficiente V de Cramer determinou uma associação moderada (V=0,696).

Relação oclusal Vertical, quanto à Respiração e à Deglutição

Presença de um maior número de crianças portadoras de mordida aberta aquando da presença dos padrões de respiração oral e deglutição atípica, comparativamente aos padrões de respiração nasal e deglutição normal. O estudo relacional utilizando o coeficiente V de Cramer determinou uma associação elevada (V=0,874).

Relação oclusal Transversal, quanto à Respiração e à Deglutição

Presença de um número reduzido de crianças portadoras de mordida cruzada posterior em ambos os grupos. O estudo relacional determinou que não havia uma relação estatisticamente significativa (p>0,05).

Análise Associativa entre Padrão de Respiração e Deglutição e Hábitos Orais

Foi estabelecida uma associação entre o padrão de respiração e deglutição e os hábitos de sucção digital e uso de chupeta. (Tabela 2).

 

DISCUSSÃO

Da população estudada, 74% apresentaram respiração nasal e 26% apresentaram respiração oral, sendo que destes 26% respiradores orais todos apresentaram padrão de deglutição alterado. Estes dados estão de acordo com estudos anteriores, que obtiveram uma relação estatisticamente significativa entre respiração oral e padrão de deglutição atípica.6,15,20,22 No que diz respeito à prevalência da respiração oral, a literatura apresenta estudos de valores com variações entre 6,6% a 77,8%, podendo esta diferença ser provavelmente justificada pelas diversas metodologias adotadas.3,16,22-25

Quanto à avaliação postural, analisando a Tabela 1 podemos verificar que quando comparados com os respiradores nasais, os respiradores orais têm uma tendência para a anteriorização da cabeça, o que se pode justificar pela necessidade de adaptação da posição da cabeça para diminuir a resistência à passagem do ar na orofaringe.1-5,6-10,18,22,27 A literatura corrobora estes resultados descrevendo que a anteriorização do segmento cefálico é uma das principais alterações encontradas em respiradores orais. 4,9,12,13,22,27 No entanto, Bolzan et al (2011) e Morimoto et al (2012) não encontraram relação significativa entre o padrão respiratório e a postura da cabeça entre respiradores nasais e orais. Este facto pode dever-se à diferença na média de idades, inferior à do presente estudo.1,3

Basso et al (2009) observaram que crianças respiradoras predominantemente orais apresentaram alterações posturais especialmente no quadrante superior do corpo, tais como anteriorização da cabeça, elevação do ombro direito, inclinação da cabeça e abdução e elevação das escápulas.4 Neste estudo, observou-se igualmente uma elevação do ombro direito e uma inclinação da cabeça predominantemente à esquerda nos respiradores orais (Tabela 1). Estas alterações poderão ser justificadas pelo facto de uma perturbação no sistema estomatognático determinar uma resposta no corpo todo.1,2,4-7

Neiva et al (2009) demonstraram que crianças respiradoras orais apresentavam maior elevação escapular em comparação com crianças respiradoras nasais.5 No presente estudo verificou-se um predomínio da assimetria à esquerda em ambos os grupos avaliados, indicativo de que a escápula esquerda se encontra mais elevada e abduzida; no entanto não se verificou uma diferença estatisticamente significativa entre os diferentes padrões de respiração (p>0,05). Estes resultados são corroborados pelo estudo de Morimoto et al (2012) que também observaram um predomínio da assimetria à esquerda, mas sem diferenças estatisticamente significativas entre os diferentes padrões de respiração.1 Krakauer e Guilherme (2000) também verificaram assimetria nas escápulas com valores semelhantes nos dois grupos, sem diferença estatisticamente significativa.10

Segundo os mesmos autores, a alteração na postura da cabeça, adaptando a angulação da laringe para facilitar a entrada do ar, muda a posição de repouso da mandíbula e os contactos oclusais.10 Deste modo, o padrão de respiração torna-se determinante no desenvolvimento da má oclusão.15-17,21 No entanto, a má oclusão tem como etiologia uma interação entre fatores genéticos e comportamentais, estando entre os últimos hábitos orais deletérios, padrão de deglutição e respiração.15-16 Em concordância, Motta et al (2009) e Lemos et al (2006) concluíram que existe relação entre respiração oral e oclusão Classe II de Angle nas crianças estudadas, dados também corroborados com os observados neste estudo.9,11 Estes resultados podem ser explicados por Marchesan (1998) que relata que a respiração oral, muitas vezes, poder causar um crescimento anómalo devido ao posicionamento diferente da língua na cavidade oral, estimulando o crescimento maxilar anteriormente e inibindo o crescimento mandibular.18

Relativamente ao respirador oral, a literatura é concordante quando se refere às alterações de oclusão e do padrão de deglutição.11,15-17 Faria et al (2002) analisaram a função respiratória de pacientes com diferentes padrões de deglutição e constataram que as crianças com maior incidência de deglutição atípica eram, justamente, as respiradoras orais e possuidoras de mordida aberta anterior.26 Suliano et al (2005) relataram uma forte associação entre a relação oclusal vertical e as funções avaliadas (respiração e deglutição).17 Segundo Moyers (1991), a postura protraída da língua durante a deglutição pode resultar numa mordida aberta anterior.28 Angle (1899) descreveu que os hábitos viciosos são um dos causadores da má oclusão.29 Os achados resultantes deste trabalho também foram ao encontro do que escreveram aqueles autores, sendo que se determinou uma associação elevada (V=0,874). Esta associação pode ser justificada pela íntima relação entre a dinâmica do abrir e fechar a boca e a morfologia do sistema estomatognático.11,16-17,20 No entanto, este tipo de má oclusão está frequentemente associado à causa de deglutição atípica, uma vez que a presença de mordida aberta facilitaria a projeção anterior da língua entre os dentes durante a deglutição.11,15-17,19-21 Segundo esta posição, Proffit (2002) descreveu a deglutição com interposição lingual como sendo uma adaptação útil quando se constata uma mordida aberta anterior.19 Sendo assim, não deve ser dicotomizado se a forma determina a função ou vice-versa, as avaliações devem ser realizadas no sentido de tratar o problema de forma global, pois forma e função estão intimamente relacionadas.11,15-17,19-21 Suliano et al (2005) relataram uma associação estatisticamente significativa entre a relação oclusal transversal e a função respiratória, que pode ser justificada pelo papel desempenhado pela língua na conformação transversal dos arcos dentários.17 No entanto, os resultados obtidos neste estudo foram diferentes, não existindo diferença estatisticamente significativa. Esta diferença pode estar relacionada com a diferença de tamanho das amostras em estudo. No entanto, Marcomini et al (2010) também não obtiveram relação estatisticamente significativa, embora tivessem uma amostra relativamente grande.22

Na literatura são vários os estudos que mostram a relação estatisticamente significativa entre o padrão de deglutição e respiração e hábitos orais deletérios.15,16,24,29 No presente estudo foi corroborada a informação destes autores no que diz respeito à sucção digital e uso de chupeta, verificando-se uma associação, mesmo que fraca. Estes resultados podem demonstrar que tais hábitos podem influenciar nas alterações funcionais, não sendo fatores únicos e determinantes, uma vez que as repercussões destes hábitos vão depender do tempo, intensidade, frequência e predisposição genética.15,16,24

 

CONCLUSÃO

A prevalência de respiradores orais foi de 26% e de respiradores nasais foi de 74%, sendo que destes 26% todas apresentaram padrão de deglutição alterado.

Os respiradores orais apresentaram maior frequência de alterações posturais no quadrante superior, tais como anteriorização da cabeça, elevação do ombro direito e inclinação da cabeça à esquerda.

Verificou-se um predomínio de oclusão Classe II de Angle e presença de um maior número de crianças portadoras de mordida aberta anterior nos participantes com alterações ao nível da respiração e deglutição.

Foi estabelecida uma associação, mesmo que fraca, entre o padrão de respiração e deglutição e os hábitos de sucção digital e uso de chupeta.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.             Morimoto T, Karolczak APB. Association between postural changes and mouth breathing in children. Fisioter Mov. 2012; 25: 379-88.         [ Links ]

2.             Roggia B, Correa B, Pranke GI, Facco R, Rossi AG. Postural control of mouth breathing school aged children regarding gender. Pró-Fono Revista de Atualização Científica 2010; 22: 433-8.         [ Links ]

3.             Bolzan GP, Souza JA, Boton LM, Silva AMT, Corrêa ECR. Facial type and head posture of nasal and mouth-breathing children. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011; 23: 315-20                    [ Links ]

4.             Basso DBA, Souza JA, Pasinato F,Corrêa ECR, da Silva MT. Study of the body posture in children with predominant oral breathing and school-age children in general. Saúde (Santa Maria) 2009; 25: 21-7.         [ Links ]

5.             Neiva PD, Kirkwood RN, Godinho, R. Orientation and position of head posture, scapula and thoracic spine in mouth-breathing children. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2009; 73: 227-36.         [ Links ]

6.             Crispiniano T, Bommarito S. Evaluation of orofacial muscles and body posture in pattients with mouth breathing and malocclusion. Rev. Odonto 2007: 15: 88-97.         [ Links ]

7.             Silveira W, Mello FCQ, Guimarães FS, Menezes SLS. Postural alterations and pulmonary function of mouth- breathing children. Braz J Otorhinolaryngol. 2010; 76: 683-6.         [ Links ]

8.             Nogueira AM, Hottum IMM, Souza LRM, Lopes e Silva AMS, Almeida G. Association between dental sagittal relationship and changes in the spine of adolescentes. ClipeOdonto- UNITAU 2011; 3: 13-8.         [ Links ]

9.             Motta LJ, Martins MD, Fernandes KPS, Mesquita-Ferrari RA, Biasotto-Gonzalez DA, Bussadori SK. Relationship between cervical posture and dental occlusion in mouth-breathing children. Rev CEFAC 2009; 11: 298-304.         [ Links ]

10.          Krakauer LH, Guilherme A. The Relantionship between Mouth Breathing and Postural Alterations in Children: A Descriptive Analysis. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá 2000; 5: 85-92.         [ Links ]

11.          Lemos CM, Junqueira PAS, Gomez MVSG, Faria MEJ, Basso SC. Study of the Relationship Between the Dentition and the Swallowing of Mouth Breathers. Arq. Int. Otorrinolaringol. 2006; 10: 114-8.         [ Links ]

12.          Costa JR, Pereira SRA, Mitri G, Motta JC, Pignatari SSN, Weckx LLM. Relationship between dental occlusion, the head and cervical spine-position in mouth breathing children. Rev Paul Pediatria 2005; 23: 88-93.         [ Links ]

13.          Rosa LP, de Moraes LC, de Moraes MEL, Filho EM, Castilho JCM. Evaluation of body posture associated with Class II and Class III malocclusion. Rev. odonto ciênc. 2008; 23: 20-5.         [ Links ]

14.          Júnior AJM, Crespo AN. Postural evaluation in children with atypical swallowing: radiographic study. J Soc Bras Fonoaudiol. 2012; 24: 125-9.         [ Links ]

15.          Cuccia AM, Lotti M, Caradonna D. Oral breathing and head posture. Angle Orthod. 2008; 78: 77-82.         [ Links ]

16.          Felcar JM, Bueno IR, Massan AC, Torezan RP, Cardoso JR. [Prevalence of mouth breathing in children from an elementary school]. Cien Saude Colet. 2010; 15: 437-44.         [ Links ]

17.          Suliano AA, Borba PC, Rodrigues MJ, Júnior AFC, Santos FAV. Prevalência de más oclusões e alterações funcionais entre escolares assistidos pelo Programa Saúde da Família em Juazeiro do Norte, Ceará, Brasil. R Dental Press Ortodon Ortop Facial. 2005; 10: 103-10.         [ Links ]

18.          Marchesan IQ. Avalião e terapia dos problemas de respiração. In: Marchesan IQ, editor. Fundamentos em fonoaudiologia: aspectos clínicos da motricidade oral; Rio de Janeiro: Guanabara koogan, 1998.         [ Links ]

19.          PROFFIT, W. R. Ortodontia contemporânea. 3.ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. p. 105-37.         [ Links ]

20.          Passos MM, Frias-Bulhosa J. Hábitos de Sucção Não Nutritivos, Respiração Bucal, Deglutição Atípica - Impactos na Oclusão Dentária. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilofac 2010; 51: 121-7.         [ Links ]

21.          Maciel CTV, Leit ICG. Aspectos etiológicos da mordida aberta anterior e suas implicações nas funções orofaciais. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, Barueri (SP) 2005; 17: 293-302.         [ Links ]

22.          Marcomini L, Lucato AS, dos Santos JLB, Tubel CAM. Prevalence of malocclusion and its relationship with functional changes in the breathing and in the swallowing. Braz Dent Sci. 2010; 13: 52-8.         [ Links ]

23.          Abreu RR, Rocha RL, Lamounier JA, Guerra AF. Etiology, clinical manifestations and concurrent findings in mouth- breathing children. J Pediatr (Rio J). 2008; 84: 529-35.         [ Links ]

24.          Kharbanda OP, Sidhu SS, Sundaram KR, Shukla DK. Oral habits in school going children of Delhi: A prevalence study. J Indian Soc Pedod Prev Dent. 2003; 21:120-4.         [ Links ]

25.          Abreu RR, Rocha RL, Lamounier JA, Guerra AF. Prevalence of mouth breathing among children. J Pediatr (Rio J). 2008; 84: 467-70.         [ Links ]

26.          Faria PT, de Oliveira Ruellas AC, Matsumoto MA, Anselmo- Lima WT, Pereira FC. Dentofacial morphology of mouth breathing children. Braz Dent J. 2002; 13: 129-32.         [ Links ]

27.          Fernandes LFT, Kochenborger R, Woitchunas FE, Woitchunas DR. Influence of atypical swallowing on craniofacial pattern and on mandible morphology. RFO 2010; 15: 52-7.         [ Links ]

28.          Moyers, R. Ortodontia. 4.ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1991. p. 175-467.         [ Links ]

29.          Angle EH. Classification of malocclusion. Dent cosmos 1899; 1: 248-64; 351-7.         [ Links ]

30.          Portal do projeto software para avaliação postural [homepage na Internet]. São Paulo: Incubadora Virtual Fapesp; 2004 [atualizada em 06 Jan 2007; acesso em 05 março 2008]. Disponível em: http://sapo.incubadora.fapesp.br/portal        [ Links ]

 

CORRESPONDENCE TO
Teresa Pinho
Instituto Universitário de Ciências da Saúde,
CESPU, Instituto de Investigacão e Formação Avançada em Ciências e Tecnologias da Saúde (IINFACTS).
Rua Central de Gandra n.º 1317, 4585-116- Gandra, Paredes
Email: teresa.pinho@iucs.cespu.pt

Received for publication: 03.07.2016 Accepted in revised form: 17.10.2016

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons