SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.8 número2Humor, atenção concentrada e qualidade de vida no climatério: Um estudo no Brasil CentralMaternidade “prematura”: Uma investigação psicossociológica na unidade de terapia intensiva neonatal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Psicologia, Saúde & Doenças

versão impressa ISSN 1645-0086

Psic., Saúde & Doenças v.8 n.2 Lisboa nov. 2007

 

A malformação do bebé. Vivências psicológicas do casal

Mónica Sofia do Couto Antunes*1 & Carla Patrocínio2

1Hospital Garcia de Orta, Serviço de Obstetrícia, Almada

2Centro de Saúde de Alcântara, Lisboa

 

RESUMO: A relação estabelecida entre a díade mãe-bebé, vai sendo progressivamente construída, desde o período pré-natal. O período da gravidez está repleto de inúmeras expectativas e idealizações do casal, acerca do bebé que vai nascer. Assim, um diagnóstico de malformação fetal provoca, inevitavelmente, uma grande desilusão e descrença para os pais que o vivênciam, os quais se vêem obrigados a fazer o luto do bebé imaginário. Este trabalho visa aprofundar a temática da malformação fetal, tendo em conta as vivências psicológicas e emocionais do casal, no que respeita não só ao impacto de um diagnóstico desfavorável, como também perante todo o processo adaptativo que é necessário percorrer. Com este trabalho, pretende-se também, desenvolver e obter uma compreensão mais profunda sobre o papel dos profissionais de saúde neste complexo contexto, confrontando as várias teorias com a prática clínica. De facto, cada vez mais, é possível detectar malformações in-útero, tornando possível ao casal aceder a essas informações, sendo imprescindível o apoio de técnicos de saúde informados, especializados e preparados para lidar com estas situações.

Palavras chave: Adaptação, Gravidez, Luto, Malformação e intervenção, Maternidade.

 

Fetal malformation. Psychological experiences of the couple

ABSTRACT: The relationship between mother and infant is progressively set since pre-birth. Both parents replenish the pregnancy with countless expectations and ideals about the new baby. So, a diagnosis of fetal malformation obviously raises a great parental disappointment and disbelief, forcing them to mourn an imagined baby. This communication seeks to deepen the subject of fetal malformation having in view the psychological and emotional responses of the parents concerning not only the impact of an unfavourable diagnosis but also the whole process of adaptation they have to face. This communication also intends to develop and obtain a deeper understanding of the health workers role this complex area, confronting the several theories with the clinical practice. As a matter of fact it is ever more possible to detect in-uterus malformations enabling the parents the information thereof, thus rendering absolutely necessary the of well informed and expert health technicians ready to deal with these situations.

Key words: Adaptation, Malformation and intervention, Motherhood, Mourning, Pregnancy.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

Aymé, S. (2005). As injustiças do nascimento. Linadem (Liga Internacional para o Estudo e Apoio da Deficiência Mental). Lisboa.         [ Links ]

Bayle, F. (2005). A parentalidade. In I. Leal (Ed.), Psicologia da Gravidez e da parentalidade (pp. 317-343). Fim de Século. Lisboa.

Canavarro, M.C. (2001). Psicologia da gravidez e da maternidade. Quarteto Editora. Coimbra.

Cardoso, J.A. (2001). Doenças genéticas: Impacto psicológico e representações sociais. In M. Canavarro (Ed.), Psicologia da gravidez e da maternidade (pp. 211-234). Quarteto editora. Coimbra.

Decreto-lei nº 90/97 de 30 de Julho. Diário da República nº 105/97. Ministério da Igualdade. Lisboa.

Ferreira, L.M., Góis, G.M., Faria, M.C., & Correia, M.J. (1990). O Luto por morte perinatal e/ou malformação do bebé. Análise Psicológica, 4(VIII), 399-402.

Ferreira, L. (1995). A irrealidade de um bebé real: Intervenção psicológica. Análise Psicológica, 1-2(XIII), 63-66.

Leal, I., & Noya, A. (1998). Interrupção voluntária da gravidez: Que respostas emocionais? Que discurso psicológico? Análise Psicológica, 3(XVI), 431-439.

Lopes, J. (2004). Luto e gravidez. In E. Sá (Ed.), A maternidade e o bebé (pp. 69-86). Lisboa. Fim de século. Lisboa.

Marinho, A. (2004). Um retrato da gravidez de risco genético a partir de Frida Kahlo. Rio de Janeiro. Consultado em: 24 de Abril de 2006, em: www.ipas.org.br/arquivos/RetratosAlice.pdf 20p.

Melo, A., & Ribeiro, F. (2006). O luto por morte perinatal e/malformação do bebé. Manual de prelecções do 1º Fórum de enfermagem de saúde materna, obstétrica e pediátrica. Auditório Municipal da Lousada.

Piccinini, C., Ferrari, A., Levandowki, D., Lopes, R., & Nardi, T. (2003). O bebé imaginário e as expectativas quanto ao futuro do filho em gestantes adolescentes e adultas. Interacções, VIII(16), 81-108.

Piccinini, C., Gomes, A., Moreira, L., & Lopes, R. (2002). Expectativas e sentimentos da gestante em relação ao seu bebé. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Consultado em: 3 de Maio de 2006, na página: http://www.scielo.br. p.1-100.

Rolim, L. (2001). Perdas e luto durante a gravidez e o puerpério. In M. Canavarro (Ed.), Psicologia da gravidez e da Maternidade (pp. 255-296). Quarteto Editora. Coimbra.

Sá, E. (2004). Diagnóstico pré-natal. Alguns pensamentos. In E. Sá (Ed.), A maternidade e o bebé (pp. 13-44). Fim de século. Lisboa.

Setúbal, M.S., Barini, R., Zaccaria, R., & Silva, J. (2004). Reacções psicológicas diante da gravidez complicada por uma malformação fetal. Programa de medicina fetal. Departamento de tocoginecologia da faculdade de ciências médicas. Brasil.

Setúbal, M.S., Messias, T., Milanez, & Barini, R. (2003). Interrupção legal em gestação de fetos com patologias letais: aspectos epidemiológicos e emocionais. Serviço de medicina fetal do centro de atenção integral à saúde da mulher. Departamento de Tocoginecologia UNICAMP.

Sousa, S. (2003). A saúde do feto. In E. Sá (Ed.), Psicologia do feto e do bebé (pp. 39-66). Fim de século. Lisboa.

 

* Contactar para E-mail: monica.antunes@gmail.com

 

Recebido em 11 de Janeiro de 2007 / aceite em 7 de Setembro de 2007