SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número48O futuro da representação política democrática em uma Europa em crise índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Relações Internacionais (R:I)

versão impressa ISSN 1645-9199

Relações Internacionais  no.48 Lisboa dez. 2015

 

RECENSÃO

A Guerra Sino-Japonesa e o fim da República da China

Raquel Vaz-Pinto*

 

* Investigadora integrada do IPRI-UNL e professora convidada da FCSH/NOVA onde lecciona Estudos Asiáticos. E, desde 2012, presidente da Associação Portuguesa de Ciência Politica. Entre outros, publicou A Grande Muralha e o Legado de Tiananmen, a China e os Direitos Humanos (Tinta-da-China) e o ensaio Os Portugueses e o Mundo (Fundação Francisco Manuel dos Santos).

 

A 8 de Dezembro de 1941 Chiang Kai-shek suspirou de alívio com a reacção norte-americana ao ataque nipónico a Pearl Harbour. A China ia finalmente ter ajuda a combater o Império do Sol Nascente numa guerra que durava desde 7 de Julho de 1937. A República da China, fundada em 1912, estava no limite mas de forma surpreendente resistia e sobrevivia há quatro anos. Para os europeus este era claramente um conflito secundário face às suas preocupações de, em primeiro lugar, evitar a guerra com a Alemanha e depois, a partir de Setembro de 1939, de combater de forma eficaz a Blitzkrieg. Para os japoneses, a resistência chinesa foi de facto uma total surpresa e a expectativa das suas tropas era a de que se repetisse o que tinha acontecido com a invasão da Manchúria em 1931. No fundo, Tóquio esperava que a República da China aceitasse esta nova realidade e que tal como em relação ao Estado-fantoche de Manchukuo a resistência fosse fraca. Na realidade, aconteceu o oposto pois a China de Chiang Kai-shek não só deu luta como nunca pensou em render-se.

 

 

No entanto, mesmo depois de Pearl Harbour, o nível de ajuda que Chiang Kai-shek tinha em mente acabou por não se materializar e a China não foi um teatro de operações das tropas norte-americanas. O objectivo de Washington foi o de manter a China na guerra de modo a dividir o esforço militar japonês que manteve no antigo Império do Meio cerca de 500 mil homens (p. 387). E esse objectivo foi conseguido.

A China sobreviveu até à rendição incondicional de Tóquio mas pagou um preço muito alto: ainda hoje é difícil chegar a uma contagem definitiva mas pelo menos 14 milhões de mortos e 80 milhões de refugiados, ou seja, 15 por cento da população (pp. 6 e 118). Esta foi uma guerra muito violenta e dura da qual se destacam pelas piores razões a conquista da capital Nanjing a 13 de Dezembro de 1937, seguida de seis semanas de massacre de mais de 200 mil pessoas, violações e tortura em massa (pp. 119-140) ou a campanha de bombardeamento de Chongqing, a nova capital da China Livre, e em especial no dia 4 de Maio, uma data simbólica e importante para os chineses (p. 4). De igual modo a guerra levou a dilemas e decisões terríveis como a que foi tomada por Chiang Kai-shek, em Junho de 1938, de rebentar os diques do Rio Amarelo para atrasar o avanço das tropas japonesas que pareciam imparáveis (pp. 155-162). O impacto humano foi devastador e levou à morte de cerca de meio milhão de pessoas e ao agravar da fome nesta região tão importante (p. 161).

No entanto, a Guerra Sino-Japonesa é uma das páginas menos conhecidas da História e também da Segunda Guerra Mundial e, ao mesmo tempo, crucial para compreendermos a implantação da República Popular da China em 1949. Este é o argumento central de Rana Mitter neste seu excelente livro. Para além da guerra contra o Japão a China, apesar da «Segunda Frente Unida», continuava em guerra civil. Mesmo nos períodos mais difíceis de resistência ao Império do Sol Nascente a cooperação que existiu entre os dois lados chineses era encarada com prudência e desconfiança. Mais ainda, algumas partes do território eram controladas por senhores da guerra o que tornava as decisões militares ainda mais complexas.

 

A China entre iguais

No entanto, o impacto a nível internacional foi claramente positivo (p. 377). É a Chiang que se deve a internacionalização da questão chinesa e o início do fim dos Tratados Desiguais em matéria de extraterritorialidade e concessões estrangeiras. Mais ainda, a China tornou-se revelante a nível externo como podemos ver pelo lugar que lhe foi atribuído no Conselho de Segurança da recém-criada Organização das Nações Unidas. Tudo isto se deve aos esforços diplomáticos de Chiang Kai-shek que nunca deixou de lembrar aos Aliados a posição «inferior» da China enquanto país soberano e a necessidade imperiosa de reverter esta situação. Esta reivindicação beneficiou muito do enorme esforço de guerra chinês ao enfrentar e combater a máquina de guerra nipónica durante oito longos anos. Rana Mitter diz-nos mesmo que se não fosse a China o avanço das forças armadas japonesas teria sido mais rápido e quem sabe até mesmo a Índia, a jóia da coroa britânica, teria sucumbido ao Império do Sol Nascente (p. 388).

Já a nível interno o impacto desta guerra foi bastante diferente e amplamente dissecado na segunda parte deste livro. O conflito contra o Japão deitou por terra o esforço de modernização económica iniciada a partir de 1928, a chamada Década de Nanjing. De igual modo, a guerra contribuiu para a militarização da sociedade chinesa e para a centralização do poder ao mesmo tempo que, devido aos constantes raides aéreos, as pessoas passaram a viver e trabalhar no mesmo sítio para não terem que fazer grandes viagens, um aspecto que mais tarde foi transformado em regra com as comunas. O «excepcional» passou a ser «normal».

Paralelamente, a agressão japonesa e a crueldade da sua ocupação foram cruciais na construção da nação chinesa. Este processo não teria sido o mesmo sem este factor agregador. Igualmente Rana Mitter relembra-nos que durante os anos da invasão japonesa a China tinha três vozes: a nacionalista e oficial de Chiang Kai-shek, a comunista de Mao Zedong e a colaboracionista com vários actores em Beiping e Nanjing, sendo esta a mais conhecida até pelo seu líder, Wang Jingwei. As três reivindicavam a herança e o legado de Sun Yat-sen (pp. 228-229) e a ascensão e a queda de Wang Jingwei é uma das histórias melhor conseguidas deste livro.

A construção da nação chinesa foi acompanhada de outro factor importante: a alteração do «mapa mental». A decisão de instalar a capital em Chongqing alterou o centro da China que se cingia à sua zona leste, a zona mais desenvolvida, e assim obrigou à maior consciência da geografia de um imenso território (p. 114). Dito de outra forma, o centro do antigo Império do Meio deslocou-se para ocidente, uma área com menos recursos e infra-estruturas.

Por último, foi o exército de Chiang que combateu a melhor máquina militar asiática e por isso sofreu um enorme desgaste. Esta realidade contrasta com os comunistas de Mao Zedong e a sua guerrilha já que cerca de um terço destes «guerrilheiros» não combateu directamente os japoneses (p. 188). Depois de tantos anos de guerra o Guomindang não foi capaz de resistir à etapa final da guerra civil.

 

O nascimento do Partido Comunista de Mao Zedong

A invasão japonesa permitiu ao Partido Comunista da China (PCC) respirar de alívio em relação à perseguição implacável levada a cabo por Chiang e pelo temível Dai Li. Ao mesmo tempo possibilitou a Mao consolidar a sua liderança e o papel do Exército de Libertação Popular. A guerra exigiu a mobilização total da sociedade que continuaria a partir de 1949 e permitiu a Mao ensaiar as suas campanhas de mobilização baseada na força dos camponeses em detrimento dos centros urbanos. O melhor exemplo foi a campanha de rectificação, em 1942, o Fórum sobre Arte e Literatura e a sua subordinação às necessidades da guerra e da revolução, que na prática é entendido como o nascimento do Partido Comunista de Mao (pp. 293-294 e 296). Os números falam por si. Em 1937, o PCC tinha 40 mil membros e o exército 92 mil militares (p. 193). Em 1945, o Partido tem mais de um milhão de membros e o seu exército cerca de 900 mil sendo complementado por um número igual de milicianos (p. 354).

No fundo, é irónico que tenha sido a invasão do Japão a alavanca para a sobrevivência e sucesso do PCC e uma peça fundamental para o seu triunfo em 1949. Mais ainda, analisar a guerra entre a China e o Japão também nos permite compreender as razões profundas e dolorosas de uma relação bilateral que tarda em verdadeiramente normalizar.

O excelente livro de Rana Mitter insere-se na linha da biografia de Chiang Kai-shek escrita por Jay Taylor que tem permitido uma reavaliação da actuação do líder nacionalista neste período tão conturbado1. Ao contrário da imagem passada pelo general Joe «Vinegar» Stilwell e que perdurou durante décadas, Chiang deixou de ser «apenas» o líder de um regime corrupto, degenerado, incapaz de combater e que acabou por «perder» a China. Chiang enfrentou muitos dilemas e foi capaz de resistir às tropas nipónicas ao mesmo tempo que se debatia com a resistência interna comunista e o papel ainda crucial de senhores da guerra. Rana Mitter tem o condão de nos fazer reviver o período da Guerra Sino-Japonesa e o seu impacto externo e interno. Ficamos a conhecer melhor as várias Chinas neste período e os factores que levaram à vitória dos comunistas de Mao em 1949.

Há muito que não lia um livro assim.

 

Notas

* A pedido da autora o texto não adopta as normas do Novo Acordo Ortográfico.

1TAYLOR, Jay – The Generalissimo: Chiang Kai-shek and the Struggle for Modern China. Cambridge, MA: Belknap Press, 2007.         [ Links ] 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons