SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número30Jovens, formação e mercados artísticos: Dois contextos entre Portugal e BrasilFala Fallet: As memórias de um grupo de idosos de uma favela em Santa Teresa, Rio de Janeiro índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


CIDADES, Comunidades e Territórios

versão On-line ISSN 2182-3030

CIDADES  no.30 Lisboa jun. 2015

https://doi.org/10.7749/citiescommunitiesterritories.jun2015.030.art05 

ARTIGO ORIGINAL

 

Água corrente (não) mata gente. Caracterização do abastecimento de água, salubridade, cultivos e alimentação das dezasseis sedes de concelho da Área Metropolitana de Lisboa em 1940.

Running water carries (no) poison. Characterization of water supply, sanitation, crops and diet of the sixteen main settlements of Lisbon Metropolitan Area in 1940.

Teresa Marat-MendesI; Joana MourãoII; Patrícia Bento d'AlmeidaIII; Samuel NizaIV

[I]DINÂMIA'CET-IUL, Instituto Universitário de Lisboa, Portugal. e-mail: teresa.marat-mendes@iscte.pt.
[II]
DINÂMIA'CET-IUL, Instituto Universitário de Lisboa, Portugal. e-mail:jfmmo@iscte.pt.
[III]DINÂMIA'CET-IUL, Instituto Universitário de Lisboa, Portugal. e-mail: patricia.bento.almeida@iscte.pt.
[IV]Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa, Portugal e-mail:samuel.niza@dem.ist.utl.pt.

 




RESUMO

O presente artigo promove uma análise das sedes de concelho no território correspondente à atual Área Metropolitana da Lisboa (AML) em 1940. As condições de abastecimento de água, saneamento e salubridade, cultivos e alimentação são analisadas para dezasseis sedes de concelho. É objetivo deste estudo promover uma caracterização visual detalhada dos elementos relacionados com a agricultura (usos do solo) e com a utilização da água (equipamentos e infraestruturas). Esta caracterização de fluxos de produtos agrícolas e da água surge da necessidade de facilitar a leitura visual do metabolismo urbano para a Área Metropolitana de Lisboa, conforme objetivo do projeto MEMO. A caraterização visual aqui proposta resulta da atualização de uma metodologia anteriormente aplicada no âmbito do projeto científico em desenvolvimento, para o mesmo território em 1900. Esta atualização metodológica resulta da introdução de uma articulação da caracterização qualitativa e da caracterização visual. É de particular interesse deste estudo a exposição da relação entre o uso da água, os cultivos e a estruturação do território, conseguida através do cruzamento de fontes cartográficas e de inquéritos de higiene rural, águas e esgotos, elaborados à época em análise.

Palavras-chave: Água; Área Metropolitana de Lisboa; 1940; Cultivos; Elementos água..


ABSTRACT

This paper promotes an analysis of the main settlements of the territory that corresponds to the present Lisbon Metropolitan Area (LMA) in 1940. The water supply conditions, as well as the sanitation and health, crops and food for sixteen main settlements are analysed. This study aims to develop a detailed visual characterization of the elements related to agriculture (land use) and water uses (equipments and infrastructures). This characterization of agriculture and water fluxes aims to facilitate the visual perception of the Lisbon Metropolitan Area urban metabolism, as pretended by the research project MEMO. The proposed visual characterization results from the actualization of a methodology previously proposed by MEMO project, for the same territory under analysis in 1900. This methodological actualization results from the introduction of an articulation between qualitative characterization and visual characterization. It should be of particular interest the study of the relation between water use, crops and territory structure, allowed by the crossing of distinct sources, including cartography and enquires of rural hygiene, water and sewers, elaborated in the period of time under analysis.

Keywords: Water; Lisbon Metropolitan Area; 1940; Crops; Water Elements.


 

1. Introdução[5]

O presente artigo promove uma análise do território a que corresponde a atual Área Metropolitana da Lisboa (AML), na última década da primeira metade do século XX (1940). É de particular interesse para esta análise o estudo da relação entre o uso da água, os cultivos e a estruturação do território. Neste sentido, o presente artigo reporta uma análise da estruturação do território, tendo em linha de conta as relações entre o abastecimento de água e o uso agrícola do solo, para as principais povoações da Região de Lisboa em 1940.

O território em análise cobre uma área total de 2935 hectares que abrange atualmente dezoito municípios. Em 1940, este mesmo território era constituído por apenas dezasseis municípios. Descriminam-se em seguida os municípios da AML em 1940, ordenados geograficamente de Norte a Sul: Vila Franca de Xira, Mafra, Loures, Sintra, Cascais, Oeiras, Lisboa, Alcochete, Montijo, Almada, Barreiro, Moita, Seixal, Palmela, Setúbal e Sesimbra.

Este artigo surge no âmbito de uma investigação conduzida para o Projeto MEMO – Evolução do Metabolismo Urbano da Área Metropolitana de Lisboa. Lições para um futuro urbano sustentável (PTDC/EMS-ENE/2197/2012) – que promove uma análise comparativa do comportamento metabólico da AML, em diferentes períodos históricos (1900, 1940 e a presente data). Assim, este artigo expõe os resultados obtidos por esta investigação para o segundo momento do projeto MEMO, e surge enquanto informação autónoma mas também complementar aos resultados obtidos para o primeiro momento retratado no projeto, resultados esses publicados num número anterior desta revista (ver Marat-Mendes et al., 2014). Entenda-se por metabolismo urbano o conjunto dos fluxos materiais (incluindo a água) que entram e saem num determinado sistema para alimentar as suas atividades económicas e sociais (Niza et al., 2009).

O interesse pelo estudo do território, desde a perspetiva da água e da agricultura foi anteriormente abordado na revista Cidades, Comunidades e Territórios em quatro artigos. Nomeadamente: i) uma reflexão sobre os processos de revalorização do carácter multifuncional da agricultura e do espaço rural para o desenvolvimento agrícola e rural sustentável (Lima, 2006); e ii) uma análise das visões e das preocupações dos cidadãos portugueses sobre inovações e biotecnologias na agricultura; iii) uma análise contemporânea ao abastecimento de água e à atual política de saneamento no Brasil (Ribeiro et al., 2012); e iv) uma análise histórica da água e da agricultura no território de Lisboa nos finais do séc. XIX e início do séc. XX (Marat-Mendes et al., 2014), sob uma perspetiva de fluxos materiais que operam no território.

O interesse pelo estudo do metabolismo urbano ganhou vários seguidores essencialmente nas áreas das ciências exatas, nomeadamente nos anos 70 do século XX, por via das ciências da engenharia, da ecologia e da biologia. Os contributos desses estudos traduzem-se essencialmente em exercícios de quantificação, que por sua vez tem permitido determinar importantes indicadores de sustentabilidade urbana para a medição de consumos de energia, fluxos materiais ou emissões de gases nas cidades (Kennedy, 2011). O reflexo desses contributos ao nível do planeamento urbano ou mesmo do desenho urbano das cidades só muito timidamente se tem verificado, inibindo a sua apropriação de forma generalizada no desenho urbano. Saliente-se no entanto o trabalho de Tarr (2002) que contribui para introduzir a análise qualitativa do metabolismo urbano em contexto histórico e a percursora análise realizada por Fisher-Kowalski (1998a, 1998b).

No projeto MEMO o estudo do metabolismo socioeconómico da área urbana é realizado com base na caracterização de fluxos de produtos agrícolas (biomassa) e da água. Trata-se de uma caracterização parcial do metabolismo urbano ditada em grande medida pela disponibilidade de dados, no entanto, o presente estudo, apresenta uma componente inovadora em relação a estudos semelhantes na medida em que é realizada uma caracterização visual detalhada dos elementos relacionados com a agricultura (uso do solo) e com a utilização da água (equipamentos e infraestruturas)

Conforme referido, da perspetiva do planeamento urbano, são raros os estudos que nos possibilitam metodologias de desenho urbano que considerem estudos de análise metabólicas. Este artigo expõe, tal como já testemunhado por Marat-Mendes et al. (2014) uma oportunidade de abordar o estudo do metabolismo urbano desde uma perspetiva multidisciplinar, com conhecimento proveniente das áreas científicas da arquitetura, história e da engenharia do ambiente, e que visa facilitar o processo de análise do metabolismo urbano no âmbito do planeamento urbano através de uma abordagem metodológica de cariz gráfico e visual. Assim, este artigo expõe duas metodologias de apoio á visualização e caracterização de um determinado território, em termos de metabolismo urbano, com incidência na análise dos fluxos materiais da água e dos alimentos que operam nesse mesmo território. Saliente-se que este artigo expõe e aplica uma atualização da metodologia de caracterização visual do metabolismo urbano exposta em Marat-Mendes et al. (2014), e em adição propõe e aplica uma metodologia de caracterização qualitativa do metabolismo urbano em núcleos urbanos, complementando a análise facultada pela caracterização visual e permitindo assim uma abordagem mais eficaz ao Metabolismo Urbano junto de um público mais alargado, incluindo das ciências sociais.

No sentido de validar as metodologias expostas este artigo encontra-se estruturado em quatro partes, para além da introdução e das conclusões. Assim, a primeira parte refere uma descrição do contexto histórico da região em análise, contextualizando no espaço e no tempo o uso da água e a alimentação. A segunda parte expõe as fontes históricas que informaram a presente investigação, seguindo-se a exposição das duas metodologias aplicadas. A terceira parte apresenta as fichas de caracterização das dezasseis sedes de concelho em análise, construídas com os resultados obtidos pela aplicação das duas metodologias complementares. Finalmente, uma análise comparativa das áreas analisadas permite-nos concluir acerca das práticas predominantes de abastecimento de água e saneamento, bem como dos cultivos e géneros alimentares de maior consumo, na Região de Lisboa em 1940.

 

 

2. Contexto histórico

Apesar da chegada das águas do Alviela a Lisboa (1880), em meados da década de 30 do século XX a capital continuava a registar uma abundante falta de água (Pinto, 1972). A implementação do Decreto n.º 21 879 de 18 de Novembro de 1932 deu origem a um novo contrato estabelecido entre o engenheiro Duarte Pacheco (1900-1943), Ministro das Obras Publicas (1932-1936 e 1938-1943), e a Companhia das Águas de Lisboa. O Governo exigia: i) a elevação das águas do Tejo na zona da Boa Vista e a sua recondução ao canal do Alviela (em Alcanhões); ii) a melhoria da rede de distribuição de água à cidade de Lisboa; e iii) o aumento do seu volume para 800 000 m³/dia através da captação de águas no Zêzere (55 000 m³/dia). A construção do aqueduto do Tejo iniciou-se em 1935 e, sob a coordenação de uma Comissão de Fiscalização de Obras de Abastecimento de Água à Cidade de Lisboa, em 1940 chegaram à estação elevatória dos Olivais as águas provenientes da Azambuja (Ferreira, 1981). Uma conduta construída entre Belém e Oeiras possibilitou a deslocação das águas da Companhia das Águas de Lisboa até às vilas de Oeiras e de Paço de Arcos, freguesias do concelho de Oeiras (MIDGSP, 1942). Até esse momento, as águas que abasteciam o concelho de Oeiras eram provenientes de nascentes e elevadas através de força motriz para chafarizes e alguns domicílios (MIDGS, 1935).

Até 1933 havia 144 redes de distribuição de água em Portugal (87 das quais chegavam aos domicílios) (MIDGSP, 1942). A década de 40 do século XX é marcada pelo ressurgimento económico e pelas consequentes realizações implementadas pelo Estado: “trabalhos de reparação e construção de estradas nacionais e municipais; a construção e apetrechamento de portos e aeroportos; os aproveitamentos hidroelétricos e hidroagrícolas; as obras de regularização e de correção dos rios; a construção de edifícios públicos e de estabelecimentos de ensino primário, secundário e universitário; os trabalhos de colonização interna e de repovoamento florestal; os estudos de planificação dos aglomerados urbanos e das zonas rurais; a realização dos planos de urbanização e de outras obras de carácter urbano; as obras de saneamento dos núcleos urbanos e rurais” (Melo, 1945-1946, p. 3). Apesar da falta de um corpo municipal de engenharia, em 1941 as obras de abastecimento de águas e de saneamento ao País elevaram o montante despendido até então (França, 1943). Nesse mesmo ano em Portugal, excluindo os habitantes das cidades de Lisboa e Porto, poder-se-á traduzir em 700.000 habitantes os que usufruíam da distribuição de água em suas casas (Leitão, 1943).

Preocupado com o desenvolvimento das doenças de origem hídrica, nomeadamente a febre tifoide, o chefe da Repartição de Abastecimento de Águas e Saneamento, manifestara que “desde que os habitantes disponham de água potável em abundância e sejam servidos por redes de esgoto que isolem e lancem as águas residuais em ponto adequado e nas devidas condições de inocuidade – desaparece um dos mais importantes motivos de morbidade e mortalidade das populações” (Santos, 1945-1946, p. 87). Deste modo, respondendo ao Decreto-Lei nº 33 863 de 14 de Agosto de 1944, dá-se início à construção e/ou renovação de instalações de abastecimento de água e de estações depuradoras, com o intuito de, no prazo de dez anos, todos os concelhos serem detentores de abastecimento domiciliário de água e proceder-se ao tratamento dos esgotos antes do seu encaminhamento para o mar.

O crescimento urbano que se verificou no início da década de 40, nomeadamente na cidade de Lisboa, vai fazer desaparecer certas hortas da periferia, designadamente no Lumiar, Campo Grande, Beato, Alto do Pina, Benfica e Olivais. Nesta altura, os núcleos de produção hortícola estavam localizados na “Ajuda, Algés, Alto de São João, Alto do Pina, Areeiro, Beato, Beirolas, Benfica, Braço de Prata, Campo Grande, Campolide, Carnide, Chelas, Lumiar, Luz, Marvila, Olivais, Palhavã, Penha de França, Pedrouços, Picheleira, Poço do Bispo, Prazeres, Sete Rios e Telheiras” (Pereira, 1949). Em 1949 Maria de Lurdes Santos Pereira publicou o estudo Abastecimento de produtos hortícolas a Lisboa, baseado na identificação das regiões que abasteciam a capital e dos produtos hortícolas que lhes estavam associados. Como produtos hortícolas considerou: abóbora, acelgas, alcachofras, agriões, aipo, alfaces, alhos, beringelas, batata-doce, beterraba, brócolos, cenouras, chicória, coentro, couve portuguesa, couve bacalã, couve-flor espinafres, favas, feijão-verde, folhas, grelos, hortelã, lombardo, louro, nabiças, nabos, pepinos, pimentos, rabanetes, repolho, salsa, segurelha, tomate, ervilhas e espargos; a batata e a cebola foram excluídos porque verificou serem comercializados em larga escala em diversos outros mercados que não o mercado abastecedor. Aos concelhos vizinhos da capital Santos Pereira designou-os de “regiões abastecedoras”, sendo quatro as pertencentes à atual Área Metropolitana de Lisboa: 1) Região Saloia; 2) Outra Banda; 3) Região de Setúbal; e 4) Região de Vila Franca. A Região Saloia, que abrangia os concelhos de Oeiras, Cascais, Sintra e Loures, foi considerada como a que maior peso tinha no abastecimento de produtos hortícolas à cidade de Lisboa, fornecendo uma grande variedade e quantidade (26 milhões de quilogramas/ano) (Pereira, 1949). Na denominada Outra Banda, que vai de Alcochete à Caparica, o lombardo, o repolho e a couve-flor, alternavam a plantação com a batata, “matéria prima de importantes indústrias, alimento tanto do homem como dos animais” (Amorim, 1943). Em 1946 esta região enviou para o mercado abastecedor da capital, 10.679.315 kg de produtos hortícolas (Pereira, 1949). A Região de Setúbal, não apresentou produção significativa, tendo enviado no mesmo ano apenas 329.124 kg e a Região de Vila Franca, cujas hortas estavam localizadas junto à estrada que ligava Abrunheira à Póvoa, em terrenos não irrigáveis mas que produziam grandes quantidades de couves, grelos, ervilhas, nabiças e nabos, enviou 1.776.479 kg (Pereira, 1949). Tomando como base o ano de 1946, Santos Pereira concluiu que dos 56.011.384 kg que representam o consumo total de produtos hortícolas, a couve portuguesa foi o legume mais consumido em Lisboa (Pereira, 1949), estando presente num grande número de pratos típicos da região como o cozido à portuguesa, o bacalhau com couves e batatas ou a sopa de grão com couve portuguesa (Belo, 1936).

Servindo-se de animais para o transporte e do caminho-de-ferro ou do barco quando se tratavam de concelhos localizados na margem sul do Tejo, à capital chegavam diariamente uma diversidade de produtos com vista a satisfazer as necessidades alimentares dos seus 694.389 habitantes (INE, 1945). Como trabalhadores citadinos que eram na sua maioria, usufruíam de um acesso facilitado a esta diversidade de produtos alimentares, pois encontravam-se à venda não só em numerosos mercados mas também em mercearias locais. Mas se, para o médico António de Almeida Garrett (1884-1961), o Português “é gente que umas vezes come e bebe à farta, e outras vezes (e são as mais) passa com privação do mínimo indispensável” (Garrett, 1957), a verdade é que, por esta altura, vulgariza-se o consumo de pão de trigo, chegando mesmo a ser considerada a base da alimentação do povo português, sendo 384 gramas o valor calculado para o consumo diário de um indivíduo (Faria, 1950). Almeida Garrett identificou para quatro grupos sociais – trabalhador agrícola, trabalhador da cidade, classe média e gente rica – os alimentos que constituem a base da alimentação diária, conforme indicado na tabela 1.

 

 

3. Fontes, bases de trabalho e metodologia

A presente secção encontra-se estruturada em três partes. A primeira parte descreve os documentos originais nomeadamente a Segunda Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGSP, 1942) e a Carta Militar de Portugal (SCE, 1936-1949), dos quais se extraíram as bases de trabalho do presente artigo e que se encontram descritos na segunda parte desta secção. Estes dados incluem as bases de dados elaboradas em Sistemas de Informação Geográfica e um Glossário trabalhado sobre a análise da legenda da cartografia. Cabe à terceira parte descrever as metodologias utilizadas para a caracterização das dezasseis sedes de concelho. Nomeadamente, o método de caracterização visual e o método de caracterização qualitativa.

 

3.1. Inquéritos e cartografia

Segunda Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos

Segunda Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGSP, 1942), publicada em 1942, é o resultado da atualização dos questionários efetuados pelo Ministério do Interior - Direcção-Geral de Saúde Pública a todos os concelhos e principais povoações urbanas e rurais do país (excluindo Lisboa e Porto), publicados em 1935 com o título Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGS, 1935). Editado em dois volumes pela Imprensa Nacional de Lisboa – Volume I. Higiene Rural e Volume II. Águas e Esgotos – os resultados do inquérito de higiene rural (1931) foram primeiramente apresentados na Primeira Conferência de Higiene Rural, realizada em Genebra em 1931. Posteriormente foram compiladas as respostas do inquérito sobre águas e esgotos (1932), juntamente com pareceres do Conselho Superior de Higiene e da Junta Sanitária de Águas.

Destas duas notícias, que visavam reconstruir a imagem do estado sanitário de Portugal, foram analisados os inquéritos correspondentes às sedes dos dezasseis concelhos que formam a atual Área Metropolitana de Lisboa. Partiu-se da análise da Segunda Notícia (MIDGSP, 1942) e sempre que nesta publicação houvesse indicação da inexistência de alterações face à (primeira) Notícia (MIDGS, 1935), a informação que prevaleceu foi a mais recuada, ou seja, a proveniente da Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGS, 1935). Relativamente à cidade de Lisboa, uma vez que esta não foi contemplada na Segunda Notícia (MIDGSP, 1942), a apresentação do estado das “Águas” e “Esgotos” foi transformada em relatórios (entregues em 1936) por cada um dos seis delegados de saúde do Ministério do Interior e contemplados na publicação de 1942. O panorama sanitário da cidade de Lisboa foi deste modo subdividido em seis sectores, cada um deles abrangendo determinados bairros e/ou zonas da capital (ver Tabela 2).

 

 

Do Volume I, Higiene Rural, das 115 perguntas efetuadas foram selecionadas 24 e do Volume II, Águas e Esgotos, das 36 perguntas efetuadas foram selecionadas 20 para a caracterização das dezasseis sedes de concelho. Totalizando assim um conjunto de 44 perguntas que deram origem aos 44 indicadores que constam nas tabelas síntese para a caracterização qualitativa das dezasseis sedes de concelho. A enumeração destes indicadores encontra-se disponível na descrição da metodologia deste artigo.

Carta Militar de Portugal

A Carta Militar de Portugal corresponde a um levantamento cartográfico realizado pelos Serviços Cartográficos do Exército à escala 1:25.000, tendo por objetivo atualizar e alargar a primeira carta topográfica militar, realizada anteriormente pelo Corpo do Estado Maior à escala 1:20.000, de modo a cobrir todo o território nacional em diferentes momentos temporais.

Este trabalho foi iniciado em 1928 e continua a ser atualizado pelo Instituto Geográfico do Exército, englobando um conjunto total de 640 folhas que cobrem todo o território continental português, o que nos permite visualizar para um mesmo território uma evolução registada em diferentes datas de levantamento.

Foram analisadas 35 cartas da Carta Militar de Portugal (SCE, 1936-1949) elaboradas entre 1936 e 1949 e adquiridas junto do Instituto Geográfico do Exército. Estas correspondem às cartas números 374, 388 a 391, 401-A a 403, 415 a 420, 429 a 434, 441-B a 456, 464 a 466. A seleção destas cartas foi feita com base nas datas disponíveis, correspondendo às que mais se aproximavam de 1940.

A importância destas cartas para o estudo descrito neste artigo refere-se ao facto do seu detalhe permitir identificar os elementos necessários à caracterização visual estabelecida para o projeto, conforme enunciado por Marat-Mendes et al. (2014) e que inclui: 1) rede hídrica; 2) elementos de água; 3) cultivos; 4) divisão da propriedade; 5) estrutura edificada; e 6) topografia.

 

3.2. Bases de Trabalho

Bases de Dados

A Carta Militar de Portugal permite identificar para o território em análise todos os elementos de apoio à utilização da água, construídos pelo Homem, e que foram alvo de um levantamento, constituindo-se assim uma “Base de dados SIG de Elementos Água da AML cerca de 1940” que pode ser comparada com a “Base de dados SIG de Elementos Água da AML cerca de 1900”, criada a partir da Carta dos Arredores de Lisboa, do Corpo do Estado Maior. Na base de dados de elementos de apoio à utilização da água, para 1940 foram identificados onze elementos construídos pelo Homem. Designadamente: aeromotores; aquedutos (incluindo elevados e subterrâneos); azenha; depósito de água; fonte; mãe de água; nascente; poço; poço com engenho; e tanque.

Para além destas onze categorias de elementos água, a análise da legenda das diferentes cartas permitiu reconhecer oito categorias de símbolos relativos a cultivos agrícolas, identificados numa segunda “Base de dados SIG de Cultivos da AML cerca de 1940”, designadamente: arrozal; bosque; eucaliptos, ciprestes, cedros e choupos; jardim, horta ou culturas rasteiras; marinhas; olival, azinheiras, carvalhos, sobreiros e castanheiros; pinhal; e vinha. A cartografia regista também mato e arbustos de vegetação rasteira, principalmente nas zonas de serra ou em zonas desocupadas. No entanto, esta categoria não foi incluída na base de dados, por constituir uma categoria de vegetação espontânea e portanto não cultivada pelo homem.

Uma terceira base de dados contendo os limites de municípios, as localizações das 16 sedes de concelho existentes na região à data, e o levantamento de quintas no município de Lisboa foi ainda criada para complementar as anteriores, designadamente: “Base de dados SIG de Povoações e Municípios para a AML cerca de 1900” e Base de dados SIG de Povoações e Municípios para a AML cerca de 1940”.

Para a caracterização exposta neste artigo a cartografia analisada refere-se à que cobre as dezasseis povoações em estudo (sedes de concelho). Descriminam-se de seguida as catorze cartas referentes às povoações demarcadas na figura 1, bem como a sua enumeração e anos de elaboração: 1) Vila Franca de Xira, cartas nº390 (1942) e nº404 (1936); 2) Mafra, cartas nº388 (1942) e nº402 (1941); 3) Loures, carta nº417 (1946); 4) Sintra, carta nº416 (1940); 5) Cascais, cartas nº429 (1945) e nº430 (1942); 6) Oeiras, carta nº430 (1942); 7) Lisboa, cartas nº431 (1949) e nº417 (1946); 8) Alcochete, carta nº432 (1943); 9) Montijo, carta nº432 (1943); 10) Almada, carta nº442 (1940); 11) Barreiro, carta nº442 (1940); 12) Moita, carta nº443 (1941); 13) Seixal, carta nº442 (1940); 14) Palmela, cartas nº443 (1941) e nº 454 (1941); 15) Setúbal, carta nº443 (1941); 16) Sesimbra, carta nº464 (1941).

 

 

Glossário

Para a elaboração do Glossário que de seguida se apresenta, recorreu-se a duas fontes bibliográficas: a) Dicionário Geral e Analógico da Língua Portuguesa (Bivar, 1948-1958); e b) Grande Dicionário da Língua Portuguesa (Silva, 1949-1959). A seleção destas obras teve em consideração a sua relevância na história da lexicografia portuguesa (Verdelho, 2002; Verdelho, 2003), bem como a edição mais próxima da cartografia utilizada (c. 1940).

A seleção dos termos contemplados neste Glossário provém da análise efetuada às legendas da Carta Militar de Portugal (SCE, 1936-1949), de onde foram extraídos dezanove símbolos relativos aos temas “Água” e “Cultivos” (ver figuras 2 e 3). Para os 29 termos considerados foram selecionadas as definições que apresentavam maior concordância entre autores e que melhor respondiam aos objetivos do projeto MEMO.

 

 

 

3.3. Metodologia

A caracterização das dezasseis sedes de concelho pertencentes à Região de Lisboa em 1940 consiste na sistematização de informação proveniente da aplicação de duas metodologias. Nomeadamente a metodologia de “Caracterização Qualitativa” e a metodologia de “Caracterização Visual”, que constituem uma atualização da metodologia de caracterização visual apresentada para o primeiro momento do projeto MEMO por Marat-Mendes et al. (2014).

A sistematização da informação proveniente das duas metodologias é apresentada no formato de fichas de caracterização para cada uma das dezasseis sedes de concelho.

 

Caracterização Qualitativa

A caracterização qualitativa consiste na análise e tratamento de informação selecionada a partir de inquéritos. No caso do projeto MEMO a Segunda Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGSP, 1942) foi a base selecionada. Posteriormente procedeu-se à seleção de um conjunto de indicadores qualitativos referentes à água, saneamento e alimentação. Foram identificados indicadores relativos a “Água”, indicadores relativos a “Saneamento e Redes de Esgotos” e indicadores relativos a “Alimentação” (MIDGSP, 1942). Estes indicadores resultam de uma sistematização das 44 perguntas selecionadas na Segunda Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGSP, 1942) e complementadas pela Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGS, 1935). Estes indicadores encontram-se identificados de acordo com a redação estabelecida nas fontes originais. Designadamente: 1) Acesso e Abastecimento de Água: a) abastecimento regular, b) poços, c) fontes, d) fontes mergulho, e) lavadouros, f) balneários, g) rede para fontanários, h) rede para domicílios e i) rede para ambos; 2) Rede de Água: a) presença e extensão da rede; b) capitação, c) ano de instalação da rede, d) melhorias da rede, e) ampliação da rede, f) ligação obrigatória a casas, g) consumo mínimo obrigatório para as casas, h) preço das águas nas casas; 3) Proveniência da Água: a) minas, b) poços, c) rios, d) outras origens na sede do concelho, e) quantidade e f) condução/elevação; 4) Qualidade e Tratamento da Água: a) águas puras; b) águas inquinadas; c) águas tratadas/filtradas; d) proveniências suspeitas; e) analisadas e resultados; 5) Saneamento e Redes de Esgotos: a) como se fazem os esgotos na região, b) presença de rede, c) ligação obrigatória, d) sistemas de esgoto na sede do concelho, e) água suficiente para a rede, f) ano de instalação da rede, g) melhorias da rede, h) sistemas de evacuação complementar, i) casas com latrinas, j) latrinas com ligação à rede, k) casas com canalização interior, l) fossas/sumidouros, m) despejos no campo, n) destino esgoto; e 6) Alimentação: a) regime alimentar do trabalhador, b) géneros de maior consumo.

Todos estes indicadores constituem as entradas de informação incluídas nas fichas de caracterização para cada uma das sedes de concelho em análise, exceto Lisboa. A tabela síntese relativa à cidade de Lisboa apresenta uma variação nos indicadores, resultado da informação apenas ter sido contemplada na Segunda Notícia (MIDGSP, 1942) e desta não ter sido fornecida pelos seis delegados de saúde do Ministério do Interior sob a forma de respostas a cada uma das questões colocadas.

 

Caracterização Visual

O método de caracterização visual consiste na análise, tratamento e visualização de dados extraídos de cartografia (SCE, 1936-1949) com base em mosaico georreferenciado fornecido pelo Instituto Geográfico do Exército. Inclui ainda a identificação de cultivos (arrozal; bosque; eucaliptos, ciprestes, cedros e choupos; jardim, horta ou culturas rasteiras; marinhas; olival, azinheiras, carvalhos, sobreiros e castanheiros; pinhal; e vinha) e de elementos de água construídos pelo Homem (aeromotores; aquedutos (incluindo elevados e subterrâneos); azenha; depósito de água; fonte; mãe de água; nascente; poço; poço com engenho; e tanque). Foram levantados e georreferenciados cerca de 4.000 elementos de água e cerca de 2.000 delimitações de cultivos para o território em análise (ver figura 4). A base de dados georreferenciada permitiu a visualização e o estudo da sua distribuição geográfica, para as dezasseis principais povoações (sedes de concelho).

 

 

O significado do termo de designação de cada elemento de água e de cada tipo de cultivo foi apresentado em glossário próprio (ver figura 2 e 3). Foram também trabalhados graficamente diversos excertos da cartografia onde constam, para além do levantamento dos elementos de água (figura 4), o levantamento dos principais cultivos existentes em cada povoação em análise e sua envolvente imediata (figura 5). A seleção destes excertos correspondeu à localização das dezasseis sedes de concelho da Região de Lisboa à data, procurando-se representar a sua envolvente imediata dando visibilidade aos diversos elementos de água e cultivos que aí existiam e que se relacionam com o conteúdo da caracterização qualitativa apresentada junto de cada excerto cartográfico.

 

 

4. Fichas de caracterização das dezasseis sedes de concelho

Apresentam-se em seguida as fichas de caracterização realizadas para cada uma das dezasseis sedes de concelho em 1940. Cada uma destas fichas inclui os resultados obtidos a partir da aplicação das duas metodologias descritas (figuras 6 a 21).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5. Análise e Discussão

Apresenta-se de seguida a síntese da caracterização sobre “Abastecimento de Água e Saneamento” e “Alimentação e Cultivos” para as dezasseis sedes de concelho da Região de Lisboa em cerca de 1940, com informação proveniente das fontes identificadas.

Em meados de 1940, apenas cinco das dezasseis sedes de concelho (Lisboa, Loures, Moita, Sesimbra e Sintra) possuíam uma completa rede de água. Outras sete (Alcochete, Barreiro, Cascais, Mafra, Oeiras, Setúbal e Vila Franca de Xira) possuíam uma rede parcial, não chegando a todos os domicílios. No entanto, apenas em duas sedes de concelho estava estabelecida a obrigatoriedade da ligação das casas à rede domiciliária de abastecimento de água. Apesar da existência de rede de água, na maior parte dos casos, o abastecimento ainda não se processava de modo regular, conduzindo os habitantes ao aprovisionamento individual a partir de fontes e poços. Esta situação é mais evidente na margem norte do Tejo, uma vez que na margem sul a presença de um extenso aquífero (Tejo-Sado) assegurava a disponibilidade de água. Na Serra de Sintra a presença do aquífero (Pisões-Azotrela) e o elevado número de nascentes também favorecia a disponibilidade de água para as redes existentes. O abastecimento de água através da Companhia das Águas de Lisboa a sede do concelho de Oeiras garantiu um fornecimento regular. Verifica-se contudo que no Montijo, a água ainda era vendida por aguadeiros que a transportavam em pipas de madeira conduzidas por carros de tração animal.

Pelo facto de recaírem suspeitas sobre a qualidade da água disponível, no espaço temporal coberto pelos inquéritos e notícias consultadas, foram elaboradas análises bacteriológicas e químicas em dez sedes de concelho. Apenas no Barreiro e na Moita, os resultados informaram que se tratavam de águas potáveis e bacteriologicamente puras. Contudo, mesmo nestas sedes de concelho, tendo sido detetados casos de febre tifoide, foram identificadas proveniências de águas suspeitas, nomeadamente poços particulares, água importada fora do concelho e água possivelmente inquinada pelas águas das chuvas. Por estes motivos, as águas eventualmente inquinadas provenientes de poços, eram principalmente destinadas a lavagens e a abastecimento de lavadouros públicos presentes em catorze sedes de concelho. O poço foi identificado como o elemento de água existente em todas as sedes de concelho.

A construção de novos arruamentos possibilitou a implementação de novas canalizações de esgoto. Em 50% das sedes de concelho da Região de Lisboa, era obrigatória a ligação domiciliária à rede municipal de esgotos mas apenas em quatro sedes de concelho se regista a informação de rede completa. Em Lisboa, esta rede é completa apenas no 1º Sector (bairros da Mercês, Baixa e Castelo) no entanto encontrava-se em mau estado de conservação por ser antiga. Verifica-se adicionalmente que a prática de se fazerem despejos e dejeções se mantinha em treze sedes de concelho rurais e oito dispunham de recolha porta a porta por veículos ou animais. Realça-se igualmente a presença de estrumeiras nos quintais anexos a habitações, na sede do concelho da Moita, ou a sua acumulação em montureiras municipais, por exemplo no caso de Sesimbra. O destino final do esgoto era o Tejo, o Sado ou o mar. O inquérito publicado em 1942 informa-nos a cerca da existência de uma estação de tratamento de lamas da vila de Sintra.

Relativamente aos cultivos, para o período em análise, destaca-se a presença da vinha bem como olivais, azinheiras, carvalhos, sobreiros e castanheiros. Também o pinhal se encontra presente em praticamente todas as sedes de concelho com exceção de Vila Franca de Xira. As categorias eucaliptos, ciprestes, cedros e choupos surgem menos representativas nos extratos da cartografia analisados, surgindo apenas em torno de seis sedes de concelho (Alcochete, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Oeiras). O arrozal não estava presente nas sedes de concelho embora existisse na região de Vila Franca de Xira, Alcochete e Sesimbra. As marinhas, onde se produzia sal, localizavam-se em quatro sedes de concelho da margem sul do Tejo (Alcochete, Barreiro, Moita e Montijo). No que concerne a jardins, hortas ou culturas rasteiras, esta categoria surge em sete sedes de concelho de carácter mais urbano (Barreiro, Cascais, Lisboa, Montijo, Oeiras e Setúbal) ou onde existiam propriedades reais (Mafra).

Embora a vinha estivesse presente em redor de todas as sedes de concelho, o consumo de vinho apenas foi indicado como predominante em três sedes de concelho (Cascais, Loures e Moita). O azeite, enquanto produto transformado, é apenas indicado como género de maior consumo em Vila Franca de Xira, embora o cultivo do olival se registasse em todas as sedes de concelho. O pão surge como género de maior consumo na maior parte das sedes de concelho, seguido pelo peixe.

 

 

6. Conclusões

O trabalho realizado e apresentado neste artigo permitiu caracterizar qualitativamente e quantitativamente as práticas e as infraestruturas de abastecimento de água e saneamento, bem como os cultivos e géneros alimentares de maior consumo, na Região de Lisboa em 1940. Esta caracterização socorreu-se de duas principais fontes históricas: a Segunda Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos (MIDGSP, 1942) e a Carta Militar de Portugal (SCE, 1936-1949).

O presente artigo complementa, num período histórico mais avançado o artigo de Marat-Mendes et al. (2014) e insere-se no âmbito do projeto MEMO que pretende realizar uma análise comparativa do comportamento metabólico da AML, em diferentes períodos históricos.

Os resultados apresentados revelam que na Região de Lisboa em 1940 as práticas de abastecimento de água e de saneamento eram, em geral, muito precárias, excetuando casos pontuais como o de Lisboa, onde a situação não era tão grave. As redes, em geral, não se encontravam concluídas. O abastecimento de água não era regular nem chegava a todos os domicílios, sendo que o recurso ao poço constituía uma prática corrente em meados de 1940 em todas as sedes de concelho da Região de Lisboa.

No que concerne à alimentação e aos cultivos, conclui-se que os géneros de maior consumo, segundo as fontes consultadas, são o pão e o peixe. Dos produtos agrícolas produzidos na Região de Lisboa, os de maior consumo são o vinho e o azeite. Em alguns casos os concelhos com maior produção destes bens não são os seus maiores consumidores levando a colocar a possibilidade de estes os produzirem para exportar para outros concelhos. Relativamente aos produtos hortícolas, com base no estudo de M. L. S. Pereira, verifica-se que a quantidade de produtos hortícolas consumida em Lisboa é superior à quantidade de produtos hortícolas produzida nas quatro regiões abastecedoras identificadas pela autora. Conclui-se assim que 30% dos produtos hortícolas consumidos em Lisboa seriam provenientes de campos agrícolas localizados em Lisboa e/ou de regiões para além daquelas consideradas por Pereira. Fontes adicionais terão que ser exploradas no sentido de obter informação sobre outros produtos alimentares e sobre a condição de municípios abastecedores e municípios consumidores.

 

REFERÊNCIAS

Amorim, J.J. (1943), Cultura da Batata: Campanha de produção agrícola, Lisboa: Serviço editorial da Repartição de Estudos, Informação e Propaganda do Ministério da Economia.         [ Links ]

Belo, A.M.O. (1936), A Culinária Portuguesa e o Turismo, Lisboa: Sociedade Nacional de Tipografia.         [ Links ]

Bivar, A. (1948-1958), Dicionário Geral e Analógico da Língua Portuguesa, Porto: Edições “Ouro”.         [ Links ]

Faria, F.C.R. (1950), O problema alimentar português. Subsídios para a sua resolução, Lisboa: Direcção Geral dos Serviços Agrícolas.         [ Links ]

Ferreira, M.E.C. (1981), “Água”, in J. Serrão (dir.), Dicionário de História de Portugal, vol. 1, Porto: Figueirinhas, pp. 68.

Fischer-Kowalski, M. (1998), “Society’s Metabolism. The Intellectual History of Material Flow Analysis, part I, 1860-1970”, Journal of Industrial Ecology, 2 (1), pp. 61-78         [ Links ]

Fischer-Kowalski, M. (1998), “Society’s Metabolism. The Intellectual History of Material Flow Analysis, part II”, Journal of Industrial Ecology, 2 (4), pp. 107-136.         [ Links ]

França, H.O.P. (1943), “Secção de Melhoramentos de Águas e Saneamento, Relatório 1941”, in Ministério das Obras Públicas e Comunicações, Direcção Geral dos Serviços Hidráulicos e Eléctricos, Anuário dos Serviços Hidráulicos 1941, Lisboa: Imprensa Nacional, pp. 179-185.         [ Links ]

Garrett, A.A. (1940) “Costumes alimentares dos portugueses”, in VV.AA., Publicações do Congresso do Mundo Português, vol. XVII, tomo I, Congresso Nacional de Ciências da População, 1ª Secção: «Demografia e Higiene», Lisboa.         [ Links ]

Garrett, A.A. (1957), Para uma alimentação racional, Porto: (s.n.         [ Links ]).

Instituto Nacional de Estatística (INE)(1945), VIII Recenseamento Geral da População no Continente e Ilhas adjacentes em 12 de Dezembro de 1940, Lisboa: Imprensa Nacional de Lisboa.         [ Links ]

Kennedy, C., Pinceti, S., Bunje, P. (2011), “The study of urban metabolism and its applications to urban planning and design”, Environmental Pollution, 159, pp. 1965-1973.         [ Links ]

Leitão, J.M. (1943), “Inconvenientes da falta de assistência técnica especializada na exploração dos serviços de água e saneamento depois da sua abertura ao serviço público”, in Ministério das Obras Públicas e Comunicações, Direcção Geral dos Serviços Hidráulicos e Eléctricos, Anuário dos Serviços Hidráulicos 1941, Lisboa: Imprensa Nacional, pp. 205-214.         [ Links ]

Marat-Mendes, T., Mourão, J., Bento d’Almeida, P., Niza, S., Ferreira, D. (2014), “Água dá, água leva”, Cidades, Comunidades e Territórios, 28 (jun), pp. 56-87.         [ Links ]

Melo, M.S. (1945-1946), “A Direcção Geral dos Serviços de Urbanização”, in Boletim da Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização, Lisboa: Ministério das Obras Públicas e Comunicações, I Volume, pp. 3-7.         [ Links ]

Ministério das Obras Públicas e Comunicações, Direcção Geral dos Serviços Hidráulicos e Eléctricos (MOPCDGSHE) (1943), Anuário dos Serviços Hidráulicos 1941, Lisboa: Imprensa Nacional.         [ Links ]

Ministério do Interior, Direcção Geral de Saúde (MIDGS) (1935), Notícia dos Inquéritos de Higiene Rural e sobre Águas e Esgotos, Volumes I e II, Lisboa: Imprensa Nacional.         [ Links ]

Niza, S., Rosado, R., Ferrão, P. (2009), “Urban Metabolism: Methodological advances in Urban Material Flow Accounting based on the Lisbon case study”, Journal of Industrial Ecology, 13 (3), pp. 384-405.         [ Links ]

Pereira, M.L.S. (1949), Abastecimento de produtos agrícolas a Lisboa, Lisboa: Junta Nacional das Frutas.         [ Links ]

Pinto, L.L. (1972), Subsídios para a História do abastecimento de água da cidade de Lisboa, Lisboa: Imprensa Nacional.         [ Links ]

Ribeiro, B B., Oliveira, L.G., Silva, A.R. (2012) “Uma Abordagem Territorial e Político-Institucional da Política de Saneamento do Brasil: O caso do Eixo do Abastecimento de Água”, Cidades, Comunidades e Territórios, 24 (Dez), pp.36-55.         [ Links ]

Rosado, L., Niza, S., Ferrão, P. (2014), “A Material Flow Accounting Case Study of the Lisbon Metropolitan Area using the Urban Metabolism Analyst Model”, Journal of Industrial Ecology, 18, pp.84-101.         [ Links ]

Santos, A.A.M. (1945-1946), “Evolução e Situação Actual dos problemas de abastecimento de água e de drenagem dos esgotos, nos núcleos urbanos do país”, Boletim da Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização, Lisboa: Ministério das Obras Públicas e Comunicações, I Volume, pp. 87-92.         [ Links ]

Serviços Cartográficos do Exército (SCE) (1936-1949), Carta Militar de Portugal, Escala 1:25.000.         [ Links ]

Silva, A.M. (1949-1959), Grande Dicionário da Língua Portuguesa, Lisboa: Editorial Confluência.         [ Links ]

Tarr, J. A. (2002) “The Metabolism of the Industrial City: The Case of Pittsburgh”, Journal of Urban History, 28, pp. 511-545.         [ Links ]

Verdelho, T. (2002), “Dicionários Portugueses. Breve História”, in J.H. Nunes, M. Petter (org.), História do saber lexical e constituição de um léxico brasileiro, São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo, pp. 15-64.         [ Links ]

Verdelho, T. (2003), “O dicionário de Morais Silva e o início da lexicografia moderna”, in História da Língua e História da Gramática – Actas do encontro, Braga, Universidade do Minho, p. 473-490.

 

 

Notas

[5]  Este artigo foi realizado no âmbito do Projeto MEMO – PTDC/EMS-ENE/2197/2012, financiado pela FCT. O projeto encontra-se acessível em http://memoaml.wix.com/home.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons