SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número38A representatividade da mobilidade urbana em certificações de sustentabilidade índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


CIDADES, Comunidades e Territórios

versão On-line ISSN 2182-3030

CIDADES  no.38 Lisboa jun. 2019

https://doi.org/10.15847/citiescommunitiesterritories.jun2019.038.rev01 

RESENHA

 

Recensão do livro "Políticas de Habitação, 200 anos"

Review of "Políticas de Habitação, 200 anos"

 

 

Nuno Pires SoaresI

[I]CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal. e-mail: nhpsoares@fcsh.unl.pt.

 

 

Políticas de Habitação, 200 anos

Gonçalo Antunes

Casal de Cambra: Caleidoscópio, 2018

O Livro Políticas de Habitação, 200 anos, da autoria de Gonçalo Antunes e publicado em 2018 pela Caleidoscópio, representa a maior obra de investigação sobre Políticas de Habitação realizada até hoje, em Portugal. Esta resulta de um enorme trabalho de pesquisa, com consulta exaustiva de documentação, muitas vezes original (legislação/textos/plantas e projeto), em que o autor evidencia a clara preocupação em analisar, interpretar, relacionar, espacializar e sintetizar a informação. O período de tempo é longo, abrangente e completo. A escala espacial é a nacional, embora o foco principal seja a cidade de Lisboa.

É uma obra que cruza saberes teóricos e práticos da Geografia, da História, do Direito, das Políticas Públicas, do Urbanismo, da Sociologia e da Economia. Mas como Gonçalo Antunes refere logo na introdução, “… assente numa interpretação alicerçada na Geografia e, em particular, na Geografia Urbana.” O seu autor é formado em Geografia, de uma escola que desde a origem cruza a Geografia com o Planeamento Regional e onde se procura a síntese e a hierarquia, tanto dos elementos interpretativos como explicativos. Um legado que transparece na preocupação com o quadro espacial e no rigor de todo o trabalho realizado.

Existe neste livro algo excecional no que se refere ao processo de comunicação, marcado não só por uma escrita clara e preocupada com o leitor, mas sobretudo pela intenção de explicar e ensinar. É uma obra que possui uma forte componente didática e, como tal, de grande utilidade para todos os que se interessam sobre este tema que é a habitação e as suas políticas.

O investimento realizado na construção de mais de cem mapas originais faz parte da intenção de explicar o que ocorre no espaço e como se foi construindo e alterando a imagem da cidade de Lisboa. Fica claro ao leitor que, tanto os objetivos como as competências cartográficas de Gonçalo Antunes ultrapassam os propósitos ilustrativos e representativos. A cartografia, que desde sempre acompanha a Geografia é, neste trabalho, uma cartografia de investigação, cujo resultado permite ao leitor conhecer a evolução das lógicas espaciais da cidade, tanto por intermédio das políticas sociais de habitação como do próprio mercado livre. O autor consegue esse feito através de uma rigorosa utilização de bases cartográficas já existentes, ou profundamente refeitas para este propósito, sobre as quais regista a informação correspondente aos diferentes bairros ou conjunto de edifícios construídos no período temporal em análise.

A par da cartografia existe um vastíssimo conjunto de fotografias que acompanha e enriquece a exposição narrativa. A imagem é supletiva, complementar e está muito para além da mera ilustração.

A estrutura desta obra é diacrónica, minuciosa e precisa. Encontra-se segmentada em cinco capítulos, que começam com a “Questão habitacional na Monarquia Constitucional” e terminam com o Capitulo V – “A Questão habitacional de Abril de 1974 à actualidade”. Este último capítulo merece destaque pela complexidade e pela forma como o autor interpreta e explica a multiplicidade de políticas num contexto particularmente dinâmico. Este capítulo, de 182 páginas, encerra com “Modelos e tendências: a Revolução, a Democracia e o Estado Social” seguido de “Conclusões – Lisboa social”. São aproximadamente 60 páginas de grande fôlego intelectual, que o leitor recordará e às quais irá recorrer sempre que necessite de esclarecimento sobre as políticas de habitação neste período recente da história. Trata-se de um tema profundamente politizado e partidarizado. Mas ao longo das 640 páginas do livro só é percetível que o autor é um defensor do direito à habitação. As apreciações pessoais existentes são poucas, oportunas e singelas.

Esta obra encerra com 24 anexos, nos quais se destaca a riqueza da informação. O último anexo - Mapa Síntese: Lisboa social/Geografia Residencial - é exemplificativo. Nele são representados, por intermédio de uma legenda clara e bem construída, todos os edifícios em Lisboa que têm uma origem social. Trata-se de uma inventariação cartográfica de grande complexidade, cujo investimento de tempo e trabalho merece, certamente, o reconhecimento e a valorização dos leitores.

A um tema difícil não tem que corresponder uma obra enfadonha e cinzenta. Este livro é a prova de que, em presença de um autor comprometido com a intenção de saber interpretar e explicar o que foram as políticas de habitação no período temporal definido, é possível concretizar uma excelente obra científica e de leitura agradável. Conclui-se, por tudo o que foi dito, que este é (e será) um livro de leitura incontornável para todos os que estudam a cidade, a habitação e as suas políticas.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons